Descubra se você come por compulsão, emoção ou extensividade

03/08/2017 | atualizado em 09/08/2017 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista explica as características de cada um dos tipos de fome

mulher em frente à geladeira escolhendo alimentos por compulsão alimentar

Você come compulsivamente, emocionalmente ou extensivamente? Essas três definições podem ser analisadas para obter uma estratégia nutricional e um treinamento mental que possibilite alcançar o emagrecimento.

Muitas pessoas possuem um tipo misto de características, que demandam ações personalizadas e customizadas ― chamadas de hormonais. Esse diagnóstico é feito por meio de testes de neurociência e de neurocoach.

Segundo Leandro Rhein, professor e criador do Fit4Mind, de São Paulo (SP), o quadro de compulsão se caracteriza pelo hábito de ingerir grandes quantidades de alimentos em um curto período de tempo, uma vez que o centro de saciedade dessa pessoa não atinge um nível satisfatório. Ela está insatisfeita com o próprio corpo e busca uma compensação na comida, o que a faz sentir-se culpada, gerando um perigoso círculo vicioso.

As pessoas que comem por motivação emocional, são aquelas que ingerem mais comida quando estão felizes ou tristes

Já as pessoas que comem por motivação emocional, ingerem mais comida quando estão felizes ou tristes, justamente por possuírem altas taxas de liberação do hormônio cortisol (ligado ao estresse). Este tipo de paciente também tem uma alta taxa de retenção líquida.

“Essas pessoas têm uma ligeira preguiça natural ao se movimentar e realizar exercícios físicos, além de altas taxas de ansiedade, por isso, a dieta deve ser feita em esquema diferente ao tradicional de três em três horas ― mantendo as refeições principais e consumindo os lanches nos intervalos apenas se houver fome ― e o exercício físico é uma obrigação”, explica Leandro.

Por fim, aquelas que comem extensivamente são altamente visuais e, mesmo saciadas, comem com os olhos: depois do primeiro pedaço é quase impossível parar de comer. “Este tipo de paciente tem de comer em regimes alimentares a cada três horas e as refeições devem ser esteticamente bonitas, para que comam com os olhos também”, conclui.