Conheça as alterações hormonais de cada fase da vida

12/08/2017 | atualizado em 14/08/2017 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Essas mudanças estão diretamente ligadas ao comportamento e humor

mulheres de três gerações para ilustrar pauta sobre alterações hormonais

Os hormônios sofrem alterações em todas as fases da vida da mulher. É assim na adolescência, na idade adulta e, inclusive, na velhice. E pior: essas alterações influenciam diretamente no estado emocional.

Há quem diga que é impossível entender o público feminino e, em alguns momentos da vida, nem mesmo as mulheres conseguem decifrar o que está acontecendo. Para ficar por dentro das alterações hormonais e mudanças de humor típicas de cada fase, acompanhe os esclarecimentos listados por Diego Tavares, psiquiatra e pesquisador do Programa de Transtornos Afetivos (GRUDA), do Hospital das Clínicas da USP, de São Paulo (SP).

Menarca | As mudanças que ocorrem no corpo da mulher após a primeira menstruação – conhecida como menarca – podem ocasionar alterações hormonais. Isso acontece porque os hormônios típicos do período menstrual já começam a resultar na famosa TPM (tensão pré-menstrual).

TPM | Acontece alguns dias antes da menstruação e é caracterizada pela queda abrupta dos níveis de dois hormônios: estrógeno e progesterona. Essa alteração resulta em uma variação de humor, mas não tende a se prolongar após a menstruação. Para solucionar o problema, há desde tratamentos com vitaminas e fitoterápicos, até medicações mais potentes, como antidepressivos. A recomendação dependerá da gravidade dos sintomas. A psicoterapia também pode ajudar bastante.

Gravidez | As alterações de progesterona e o estrogênio nesse período funcionam mais ou menos como uma TPM gigante. Alguns efeitos físicos da gestação, como azia, cansaço e vontade frequente de fazer xixi também acabam mexendo mais com suas emoções. O enjoo, para piorar, acaba com um dos prazeres da vida, que é o de comer alguma coisa gostosa. Os altos e baixos no humor costumam ser mais pronunciados nas 12 primeiras semanas da gravidez. Eles tendem a diminuir à medida que seu corpo se adapta ao bombardeio hormonal a que é submetido. Mas no finalzinho da gravidez, com a ansiedade da aproximação do parto, a sensibilidade também pode aumentar.

Pós parto | Na mesma proporção em que os níveis de estrógeno caem abruptamente nos três a quatro dias após o nascimento do bebê, existe um aumento da enzima monoamina oxidase A (MAO-A) no cérebro. Essa enzima quebra os neurotransmissores serotonina, dopamina e noradrenalina, que, além de serem responsáveis por transmitir os sinais entre as células nervosas, também influenciam no humor. Se o funcionamento dos neurotransmissores é afetado, a pessoa inicialmente se sente triste e após certo tempo corre o risco de ficar deprimida. Os níveis mais altos foram registrados no quinto dia após o parto, coincidindo com o dia em que o humor das mães está no ponto mais baixo.

Menopausa | Nesta fase, a mulher possui mudanças comportamentais mais intensas. Em geral, são piores nos primeiros anos da menopausa e tendem a se amenizar com o tempo. As principais mudanças são depressão, irritabilidade, calores noturnos, falta de libido, diminuição da lubrificação da pele e da vagina, dores musculares e articulares.