Envelhecimento não é a única causa para dificuldade de andar

10/06/2018 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Conheça o problema que pode ocasionar dores na coluna e nas pernas

mulher com estenose

É muito comum que idosos peçam para fazer uma pausa para recuperar as forças em caminhadas de menos de cem metros. E por mais que isso pareça um processo natural de envelhecimento, muitas vezes pode ser sinal de estenose lombar. Cerca de 80% da população terão pelo menos um episódio de dor nas costas durante a vida, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e, em muitos casos, essa dor está associada a doenças degenerativas, como a estenose.

O problema é configurado pelo estreitamento do canal vertebral na região lombar. O canal estreito pode comprimir estas raízes e determinar sinais e sintomas neurológicos. Entre os sintomas mais frequentes, dor lombar (dor nas costas), dor irradiada na perna, principalmente na parte de trás e do lado, formigamentos nos pés e dificuldade para caminhar.

“Os sintomas da estenose lombar podem aparecer gradualmente ou desenvolver rapidamente. Embora seja parte do processo de envelhecimento normal, muitas vezes essa estenose provoca sintomas de compressão dos nervos, dor, diminuição de força nos membros inferiores e superiores, diminuição da sensibilidade, dificuldade de controlar os esfíncteres da bexiga e do anus e até mesmo impotência sexual”, explica Helder Montenegro, fisioterapeuta e diretor do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, de Fortaleza (CE).

De acordo com o especialista, a causa para o desenvolvimento da doença é o desgaste progressivo das estruturas da coluna, associada a pequenos traumas repetidos durante a vida. A melhor forma de prevenir a doença é adquirir desde cedo hábitos saudáveis, que minimizem ou atrasem o envelhecimento do corpo e, por consequência, da coluna, como dieta adequada e atividade física regular.

O tratamento da estenose lombar é feita, nos casos menos graves, com fisioterapia para a descompressão por meio de exercícios. Quando diagnosticada tardiamente a cura da estenose pode exigir intervenção cirúrgica. “Medicamentos, atividade física, orientação da postura, manutenção do peso ideal e cirurgia são algumas formas de tratar a estenose e seus sintomas. O tratamento conservador consiste em analgesia e correção postural. A reeducação postural visa a aumentar a flexibilidade postural do paciente, ampliando suas possibilidades de movimentação, pois é certo que a sintomatologia aparece quando os limites que o processo degenerativo impõe são ultrapassados”, afirma Montenegro.