Quatro hábitos que colaboram com a longevidade

22/10/2017 | Da Redação
Bem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Saiba quais são as atividades que tem feito com que a expectativa de vida aumente

idosos correndo no parque para ilustrar matéria sobre longevidade

Pode reparar: algumas atividades realizadas principalmente por jovens, como viagens e aulas de dança estão cada dia mais na rotina dos idosos. E além de prazeroso, esse hábito também é extremamente bem-vindo para a saúde e longevidade. “A nova geração de quem já passou dos 65 anos entendeu os malefícios do cigarro, do sedentarismo e da reclusão social e, por isso, tem mudado para viver mais e melhor”, afirma Marcelo Levites, coordenador do Centro de Longevidade do Hospital 9 de Julho, de São Paulo (SP).

Com a evolução de tratamentos médicos e a conscientização das novas gerações, a expectativa de vida só tende a aumentar. E, de acordo com o especialista, diversos estudos indicam, por exemplo, que pessoas mais sociáveis e felizes têm uma saúde melhor. Veja abaixo algumas dicas que podem fazer com que a qualidade de vida dessa faixa etária seja ainda melhor.

Atividade física | Por volta dos 60 e 65 anos, homens e mulheres sentem os primeiros sintomas da velhice como ossos frágeis e organismo lento. E os exercícios físicos são aliados para manter a mobilidade e evitar dores. “Hidroginástica e caminhadas são duas opções prazerosas para idosos, já que têm baixo impacto, mas estimulam diversas áreas do corpo, como o sistema cardiovascular, músculos e ossos”, observa Levites. Sem falar, que as atividades liberam serotonina, o hormônio responsável pelo bem-estar.

Sexualidade | Com a chegada de medicamentos para disfunção erétil, muitos casais idosos redescobriram o apetite sexual e encaram o sexo de forma saudável. “É importante que o tratamento para disfunção erétil tenha um acompanhamento médico, já que não é indicado para homens com doença coronária, pelo efeito vasodilatador”, explica o especialista.

Independência | Pessoas na terceira idade estão cada vez mais independentes das famílias. Viagens com amigos, idas ao cinema, continuação dos estudos e até o início de uma nova profissão, fazem com que a nova geração de idosos afaste doenças psicológicas como depressão e síndrome do pânico.

Exames preventivos | Ir ao médico apenas quando está se sentindo mal era um hábito comum na terceira idade. Atualmente, os idosos entenderam que adotar a prevenção ajuda a garantir a boa saúde durante o envelhecimento. Como algumas doenças são silenciosas e assintomáticas, o acompanhamento periódico é fundamental para aumentar as chances de cura e facilitar o tratamento.