Infeliz no trabalho? Saiba como mudar de profissão!

09/06/2017 | atualizado em 12/06/2017 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Coach de carreira explica o primeiro passo para alcançar essa difícil missão

mulher Infeliz no trabalho

Credite: 70% das pessoas se encontram infelizes com seus empregos. Você faz parte desse grupo? Então responda: o que está fazendo para mudar essa situação? Essa é a chave para alcançar mais felicidade e qualidade de vida.

Muitas pessoas se sentem incapacitadas de modificar sua carreira ou alegam que estão em uma idade avançada demais para mudanças. São muitas desculpas para justificar sua decisão de permanecerem constantemente na zona de conforto.

Cecília Lara Yamashita, coach de carreira, de Dourados (MS), explica que o segredo para a satisfação profissional é simples, porém não é fácil. “O indivíduo precisa primeiramente identificar seu mundo interno, reconhecendo profundamente a si mesmo, suas habilidades, vocações e interesses pessoais. Somente assim é possível identificar sua verdadeira área de interesse e qual atividade a pessoa se sentirá realizada profissionalmente por exercer”, diz.

Quando o indivíduo desconhece seu mundo interno, ele passa a viver em função de estímulos das outras pessoas

De acordo com a especialista, um dos maiores problemas da sociedade atual está em ignorar o próprio “eu”, que faz com que as pessoas se tornem constantemente dependente de fatores externos.

“Quando o indivíduo desconhece seu mundo interno, ele passa a viver em função de estímulos das outras pessoas e dos ambientes nos quais se encontra. Isso a torna infeliz, sofrendo de pressão psicológica, angústia e sofrimentos psíquicos”, explica.

A plena satisfação e o sucesso na carreira são alcançados quando o indivíduo encontra a atividade que o satisfaz de tal forma que nem percebe a hora passar. “Aquele que realiza suas atividades profissionais com prazer, buscando constantemente o aperfeiçoamento e aprofundamento de seu conhecimento na área, satisfaz não apenas a si mesmo, mas também ao mercado, passando então a ser um profissional mais reconhecido e solicitado”, conclui.