Pesquisa aponta relação entre bruxismo e traumas emocionais

04/02/2018 | atualizado em 05/02/2018 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Psicologia pode ajudar na cura

Uma pesquisa publicada pela psicóloga Salma Cortez, de São Paulo (SP), em parceria com o dentista Marcello Cheloti, de Santo André (SP), mostra que o bruxismo (apertamento e ranger de dentes), e a Disfunção Temporomandibular (DTM), relacionada à dor tensional refletida na região do maxilar ou boca, podem ter como causa a cobrança pela perfeição exercida na infância. O estudo analisou os resultados do atendimento de 19 voluntários, que passaram por testes comportamentais e de inteligência.

De acordo com Salma, essas disfunções são uma manifestação de repressões que sofremos quando pequenos. “Quem tem DTM e bruxismo geralmente foi uma criança boazinha, que aprendeu a se comportar de maneira adequada e a ser correta, sem considerar a si mesma no processo”, comenta.

Embora os sintomas possam acompanhar o indivíduo ao longo da vida, a pesquisa também comprova que a restauração do equilíbrio interior é capaz de desviar o foco energético. “Aquietar a mente, fechar os olhos, respirar e se concentrar, são exercícios que trazem o lado positivo do perfeccionismo”, diz a psicóloga.

Ainda segundo a especialista, atingir a serenidade é apenas o início da transformação. O processo inclui a percepção de quanto os julgamentos podem nos causar dor e sofrimento e entender que eles são capazes de desencadear doenças como gastrite, bruxismo, DTM, dor nas costas, dor de cabeça, entre outras.

“Assim que o paciente for se tornando menos reativo às críticas, ou seja, mais sereno, ele conseguirá reduzir a angústia e a tensão resultantes da busca pela perfeição. Esse trabalho não é fácil nem rápido, mas é necessário”, finaliza.