Sete dicas para não sabotar a autoestima

15/05/2018 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Lutar contra alguns hábitos é o primeiro passo para melhorar elevar essa característica

mulher feliz o que contribui com a saúde física e mental

Se existe algo que pode contribuir para sua vida pessoal e profissional seguir positivamente, é a autoestima. E de acordo com Gislene Isquierdo, psicóloga e master coach, de Londrina (PR), o primeiro passo é eliminar algumas atitudes. Para ajudá-la missão, Pense Leve traz abaixo sete dicas para fazer uma limpeza nos hábitos prejudiciais, listadas pela especialista. Confira!

Evite comparações | Comparar-se com os outros é algo que acaba com a autoestima. “E pode ser ruim para a autoestima das pessoas ao seu redor também, já que o hábito de achar que a grama do vizinho é sempre mais verde transforma-se em um ciclo entre os familiares”, afirma. Ela conta que, sempre que uma pessoa faz uma comparação, ela quase sempre se desvaloriza diante do outro. “Reflita sobre esse hábito e fique alerta para evitá-lo”, salienta.

Não espere reconhecimento dos outros | Pessoas com autoestima elevada não fazem bons trabalhos para serem reconhecidas, mas porque querem fazer algo bem feito. “Faça algo bem feito e se reconheça, se elogie, mas não fique esperando reconhecimento e elogio das pessoas ao seu redor. Pode ser que o reconhecimento dos outros nunca aconteça, então não dependa deles”, sugere.

Coloque-se em primeiro lugar | Gislene explica que eventualmente colocamos outras pessoas em primeiro lugar, e isso não é um problema. “O problema é colocar os outros sempre em primeiro lugar. Isso tira a sua energia e cria expectativa de que alguém, em algum momento, vai te colocar em primeiro lugar”, alerta. De acordo com ela, dar valor a si mesma e fazer as coisas se colocando em primeiro lugar, faz com que você viva mais intensamente e garanta uma vida muito mais feliz.

Fique alerta com competições em excesso | Todos os ambientes com excesso de competitividade detonam a autoestima das pessoas. “Competição não é 100% ruim, mas o exagero pode ser um problema”, explica. A proposta da psicóloga é que, ao invés de competir, as pessoas possam cooperar na vida das outras. “Procure agregar valor à vida de quem está ao seu redor”, indica.

Pare de achar que não é capaz | O pensamento tem grande força no resultado das ações, por isso, não pense que você não é capaz. “O nosso cérebro acredita no comando que damos a ele, por isso, ao receber uma informação – mesmo que ela esteja no campo da imaginação – ele acredita. Vale a pena analisar o que você diz para si mesma”, conta a psicóloga.

Não guarde mágoas e rancores | A primeira pessoa que se queima com a mágoa é quem sente. É o que acredita a especialista, que compara mágoas e rancores com carvões em brasa. “Quando você atira um carvão em brasa em alguém, você é o primeiro a se machucar com ele”, destaca a especialista, que reforça a importância de praticar o perdão para que a autoestima seja melhorada.

Foque no presente | Por fim, Gislene reforça a importância de combater e insegurança e a ansiedade, sentimentos que são irmãos da falta de autoestima. “Quem vive preocupado com o futuro é muito ansioso e quem vive com a cabeça no passado tende a ser muito inseguro, por isso é importante focar no presente”, ensina. A psicóloga destaca a importância de conversar com alguém focado no momento. “Dê toda atenção a pessoa que está na sua frente, olhe nos olhos dela, chame-a pelo nome, conecte-se verdadeiramente. Esteja presente”, conclui.