5 dicas para conquistar a felicidade

11/02/2017 | atualizado em 12/02/2017 | Da Redação
Bem-estar
Facebook twitter E-mail Imprimir

Fazer amigos está entre as recomendações

É difícil encontrar uma pessoa no mundo que não almeje ou esteja à procura dela: a felicidade. Segundo Maura de Albanesi, psicoterapeuta e mestre em Psicologia e Religião (PUC-SP), esse sentimento não está ligada a bens materiais, mas sim a ser aquilo que se almeja. “Então, ela, a felicidade é um estado – interno – duradouro, não momentâneo. Picos de alegria não representam necessariamente a felicidade. A palavra ‘ter’ vem de um ganho externo e o ‘ser’ vem de um ganho interno”, completa. Ela ressalta, ainda, que pessoas felizes têm gratidão, vibram na alegria e nutrem satisfação por aquilo que fazem. “Porque às vezes, a gente olha para o mundo e pensa: ‘nossa, está tudo errado’ e isso nos deixa infelizes. Então, a felicidade vem de um estado perene de aceitação dos fatos como são e, com isso, nos sentimos gratos da forma como são. Isso não implica em não nos esforçarmos para melhorarmos enquanto pessoas – sem que isso seja uma tortura – mas que seja um ato de prazer”, destaca. Para ajudar você a alcançar esse estado, Pense Leve traz abaixo algumas dicas da especialista.

  1. Faça o que gosta | Aposte em momentos de lazer e aprenda a ter prazer na vida – tanto nas obrigações diárias quanto nos momentos de descontração.
  1. Invista nos relacionamentos | Dedique-se a construção de relacionamentos sociais e amizades, tanto as íntimas quanto as não tão íntimas, porque é bom ter um rol de amigos.
  1. Conhecer novos lugares | “Fazer coisas diferentes a tudo que estamos acostumados nos traz felicidade, porque nos lembra que estamos vivos e nos permite ver a beleza do mundo”, afirma.
  1. Desenvolver a espiritualidade | “É importante desenvolver toda a nossa espiritualidade, a transcendência, e não se apegar tanto apenas às questões materiais, mas saber que a matéria é necessária e é fundamental, mas não essencial”, destaca.
  1. Paz de espírito | “É essencial, pois adquirimos paz de espírito no desenvolvimento do nosso autoconhecimento e espiritualidade, que nos traz esperança, tolerância e fé”, ressalta.