Acabe com as estrias!

05/08/2016 | atualizado em 11/08/2016 | Da Redação
Bem-estar
Facebook twitter E-mail Imprimir

Saiba quais são as técnicas clínicas e caseiras para tratar o problema

Vergetures

Atire a primeira pedra, a mulher que não deseja acabar com a causa das estrias ou descobrir como tratar o problema em casa. Uma em cada cinco pessoas possui esses risquinhos pelo corpo. “Elas são rupturas das fibras de colágeno e elastina que dão elasticidade à pele. A incidência é maior em mulheres, que representam 80% dos casos”, explica Jardis Volpe, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), de São Paulo (SP). “Com essa ruptura, o sangue extravasa, inundando as fibras e deixando-as com aspecto arroxeado ou rosado e, depois, há uma substituição por um tecido fibroso, com aspecto de cicatriz (são as estrias brancas)”, completa Isabel Luiza Piatti, tecnóloga em Estética e diretora da Buona Vita Cosméticos, de Curitiba (PR). Conheça abaixo os locais que o problema atinge, as causas e os melhores tratamentos.

Onde aparecem | De acordo com Abdo Salomão Júnior, dermatologista e membro da SBD, as áreas mais afetadas são: abdômen, seios, área interna das coxas e glúteos. “Nas mulheres, durante a gravidez, as estrias surgem porque é justamente nesse período que acontece uma distensão imensa dos tecidos, principalmente nessas regiões”, comenta.

Causas | Volpe explica que o ganho e a perda de peso favorecem o aparecimento das estrias. “A briga contra a balança mesmo em pessoas magras que variem dois ou três quilos são suficientes para o aparecimento de estrias. Além disso, a má alimentação com excesso de açúcar, gordura saturada e sal, também está entre os motivos”, ressalta. Algumas pessoas que praticam exercícios físicos também podem apresentar o quadro.

Como tratar | “Existem vários tratamentos para estrias, desde cremes à base de ácido retinóico e ácido glicólico, até lasers. Hoje em dia, também é possível fazer microagulhamento, como Eletroderme”, aconselha Salomão Júnior. As agulhas ultrapassam a epiderme, emitindo ondas eletromagnéticas apenas nas camadas mais profundas da pele, preservando a superfície. Isso faz com que a temperatura da derme chegue até a 70 graus Celsius, estimulando a produção de colágeno e refazendo as fibras rompidas. A técnica provoca o estímulo da regeneração celular – por meio do processo de cicatrização –, proliferação de células-tronco e estímulo da síntese de elastina, da neocolagênese (produção de colágeno) e angiogênese (proliferação de vasos sanquíneos).

Faça em casa | O uso de cremes específicos pode prevenir o aparecimento de novas estrias e tornar menos visíveis as já existentes. Aposte em produtos com ingredientes antioxidantes, regeneradores, substâncias firmadoras, ômegas-3 e 6, fitoesteróis e vitamina E.