Conheça as modalidades e cuidados para os treinos na gestação

21/10/2017 | atualizado em 23/10/2017 | Da Redação
FitnessFitness Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista pontua os benefícios da prática nesse período

mulher grávida com pesinhos nas mãos para ilustrar matéria sobre treinos na gestação

Não é mais segredo para ninguém: as atividades físicas estão liberadas durante todo o período de gestação, já que auxiliam a futura mamãe a controlar o peso e diminuir o inchaço dos pés e pernas e as dores nas costas, além de melhorar a respiração e pressão e tonificar a musculatura – principalmente dos quadris. “Se antes da gravidez a mulher não era acostumada a fazer exercícios, o ideal é começar com um treino leve para o corpo não estranhar. Mas se ela já era acostumada, recomendamos apenas que a redução da intensidade aos poucos, porém não por completo”, explica Frederico Kempler, professor de educação física e coordenador da academia Turner Prime, de Belo Horizonte (MG).

De acordo com o especialista, quando orientada por um profissional, os riscos de acontecer algum problema durante a atividade é mínimo. “Por ser um momento que requer atenção redobrada, todo o cuidado é pouco. Exercícios que levam à exaustão, aparelhos que necessitam de muito peso ou que faça a mulher ficar muito tempo em pé, devem ser evitados ou substituídos nos treinos por outros mais brandos”, diz.

Do ponto de vista médico, Talitha Melo, ginecologista e obstetra da Clínica Penchel, de Belo Horizonte (MG), informa que a atividade física tem vários benefícios no pré-natal, como a redução do risco de pré-eclâmpsia e controle do ganho de peso, evitando a obesidade gestacional. O exercício ainda atua na prevenção da diabetes gestacional, assim como contribui para o controle glicêmico em gestantes que já são diabéticas.

O fortalecimento muscular da região pélvica da grávida lhe garante maior autonomia durante o trabalho de parto

Desta forma, há melhora no índice de peso e vitalidade do recém-nascido. Ademais, o fortalecimento muscular da região pélvica da grávida lhe garante maior autonomia durante o trabalho de parto, ajudando na recuperação imediata após o nascimento do bebê e diminuindo o risco de depressão pós-parto.

“Eu oriento minhas gestantes a identificar qual atividade física faz com que ela se sinta mais confortável. Atividades aeróbicas como caminhadas e dança ou atividades de força como pilates e musculação são ótimas opções”, destaca. Mas vale lembrar que durante a gravidez ocorre um aumento da produção do hormônio relaxina, substância que deixa as articulações mais frouxas e pode aumentar o risco de lesões e torções. “Portanto o acompanhamento profissional é fundamental para evitar traumas”, conta a médica.

Ela ressalta que as únicas contraindicações da prática de atividade física são para gestantes com problemas cardíacos, sangramento vaginal, placenta baixa, trabalho de parto prematuro e hipertensão arterial não compensada. “A prática de exercícios promove inúmeros benefícios e deve ser sempre estimulada a fim de melhorar a qualidade de vida da mãe e do bebê”, finaliza.