Alimentos enlatados: saiba a maneira certa de consumir

16/03/2017 | Da Redação
NutriçãoNutrição Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista lista as vantagens, desvantagens e dicas para tê-los no cardápio saudável

18_enlatados

Os enlatados garantem praticidade na cozinha. Em geral, são alimentos que sofreram algum tipo de tratamento antes do armazenamento, com a finalidade de preservar o maior número de suas características até o momento do consumo. Com o processo, os alimentos podem perder alguns nutrientes. “Um bom exemplo são as proteínas – 7 gramas em 130 g de ervilha fresca contra 5,3 g da mesma quantidade em lata –, o fósforo (103 miligramas contra 89 mg no milho) e vitamina C – na ervilha são 52 mg no produto fresco e apenas 9 mg no enlatado – ”, lista Jéssica Amorim, nutricionista da clínica de nutrição da UNG Universidade, de Guarulhos (SP). A boa notícia é que essa perda nutricional é pequena, já que os alimentos passam pelo processo de cozimento dentro das embalagens já lacradas.

Para Jéssica, outro grande problema desses alimentos é a quantidade de sódio. “Para armazenar os alimentos nas latas é adicionada uma mistura de água e sal. Em 130 gramas de milho in natura, por exemplo, há 22,1 miligramas de sódio. Em 130 gramas de enlatado, são 347 miligramas”, alerta. De acordo com a especialista, o consumo excessivo de sódio pode gerar hipertensão arterial, problemas cardíacos, alergias em pessoas com hipersensibilidade ou, até mesmo, piora do quadro de pessoas com problemas digestivos. Por isso, a dica é consumir esses alimentos com moderação, dar preferência às conservas que utilizaram sal marinho ou sal rosa do Himalaia (disponíveis no mercado) e lavar bem os alimentos antes de ingerir. Vale a pena deixá-los de molho por algumas horas antes do consumo para diminuir a quantidade de sódio.