Mau hálito: a causa pode estar no prato

08/06/2018 | Da Redação
NutriçãoNutrição Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Conheça alimentos e dietas que contribuem para esse problema

Alguns alimentos são conhecidos por deixar um odor desagradável na boca, como o alho e a cebola. Mas engana-se quem acredita que riscá-los do cardápio é garantia de hálito sempre fresco.

Você sabia que a maioria das dietas da moda ― aquelas que restringem vários itens ou, até mesmo, grupos inteiros de alimentos, como os carboidratos ― podem ser as grandes responsáveis pelo mau hálito? A exemplo disso, está a dieta rica em lipídeos (alimentos gordurosos), que são responsáveis pela geração de acidose ou cetose, que desencadeia o problema.

De acordo com Alênio Calil, cirurgião-dentista e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Estudos da Halitose (Sobrehali), o jejum prolongado é outro hábito comum dessas dietas e provoca o mau hálito.

“A queda de açúcar no sangue faz com que o organismo queime os triglicerídios depositados (gorduras), com a finalidade de preservar a glicose que já está atingindo concentrações baixas. Quando essa reação é ativada, há a liberação de gases de enxofre, responsáveis pelo mau cheiro do hálito”, explica.

Além de evitar longos períodos sem ingerir alimentos, o consumo de carne, queijo, alho, cebola, azeitonas, ovos, alimentos condimentados, maionese, azeite, chocolate, leite, manteiga, creme de leite, salame, presunto, mortadela, repolho, sardinha, alcachofra, couve-flor e brócolis, também deve ser feito com moderação para prevenir o mau hálito em quem tem pré-disposição ao problema.