Desvende os mitos e verdades sobre a amamentação

09/08/2017 | atualizado em 14/08/2017 | Da Redação
NutriçãoNutrição Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Saiba detalhes sobre o período das mamadas e a inicialização de outros alimentos

mulher amamentando bebê para ilustrar matérias sobre mitos sobre amamentação

O leite materno facilita a digestão do bebê, hidrata, aumenta os anticorpos que fortalecem o sistema imunológico, evita infecções respiratórias e diminui os riscos de alergias e do desenvolvimento de doenças futuras (como obesidade, diabetes e hipertensão). Por isso, ele é tido como alimento exclusivo nos primeiros meses de vida.

Para ajudar você a esclarecer algumas dúvidas sobre a amamentação, Priscila Preissler, especialista e enfermeira em maternidade da Medela, de São Paulo (SP), explica cinco mitos e verdades sobre o assunto.

1. É impossível continuar oferecendo leite materno ao retornar ao trabalho.
Mito. Após a licença maternidade ― que normalmente finaliza quando a criança tem entre quatro e seis meses ―, se a mãe desejar continuar amamentando, é possível manter a produção do leite e continuar ofertando ao bebê. Atualmente, extrair o leite materno é uma prática acessível, facilitando o retorno da mulher às atividades, sem perder os benefícios do aleitamento. O leite extraído pode ser armazenado no refrigerador por 12 horas ou no congelador por até 15 dias.

2. É necessário ter paciência para amamentar.
Verdade. Apesar de ser um ato natural, amamentar é uma ação que deve ser aprendida. Durante o processo, surgem vários questionamentos. São muitos os obstáculos que a mãe pode enfrentar durante essa jornada (como falta de conhecimento e orientação médica), e é necessário paciência e força de vontade para vencê-los.

3. O bebê só deve mamar a cada três horas.
Mito. Muitos profissionais ainda orientam as mães a oferecer o seio ao bebê a cada três horas, o que, na prática, gera dúvida. Por exemplo: se a criança chorar após uma hora da mamada, a mãe deve ou não oferecer o seio novamente? Hoje, trabalha-se com o conceito de livre demanda para a alimentação, sem horários pré-estabelecidos, atendendo as necessidades calóricas e emocionais do bebê. Ou seja, a mãe deve amamentar quando ele quiser, pelo tempo que ele quiser.

4. É necessário oferecer chá ou suco para o bebê antes dos seis meses para suprir sua sede.
Mito. O aleitamento materno é responsável pela influência positiva na sobrevivência, na saúde e no desenvolvimento das crianças. Muitos efeitos positivos do leite materno, como a proteção contra infecções, são mais evidentes se a amamentação for exclusiva nos primeiros meses de vida, pois a ação protetora contra diarreias e doenças respiratórias pode ser reduzida quando a criança recebe qualquer outro alimento além do leite materno.

5. As mães devem evitar a cafeína e cortar a bebida alcoólica.
Verdade. Muitas substâncias e alimentos podem alterar a composição do leite. Deve-se evitar doses excessivas de cafeína, pois pode deixar o bebê irritado e sem sono, e não consumir álcool, que destrói as células nervosas e deixa o bebê sem fome, prejudicando o ganho de peso. Deve-se também evitar o tabagismo e tomar cuidado com a ingestão de certos medicamentos.