Refrigerantes: conheça os riscos do consumo diário

17/03/2017 | atualizado em 20/03/2017 | Da Redação
NutriçãoNutrição Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista explica as desvantagens nutricionais da bebida

É unânime entre os especialistas: o consumo de refrigerantes em excesso é prejudicial a saúde a boa forma, mesmo se for a versão diet da bebida. “Estima-se que uma lata de refrigerante do tipo cola tenha de sete a nove colheres de sopa de açúcar. Nutricionalmente falando, é uma bebida com muita caloria que não traz nenhum benefício”, afirma Jéssica Amorim, nutricionista da Clínica de Nutrição da UNG Universidade, de Guarulhos (SP). De acordo com a especialista, os refrigerantes light, diet e zero não escapam dos malefícios. Segundo pesquisas da Anvisa, os níveis de sódio dos refrigerantes de baixa caloria, diets e zero, tanto à base de cola quanto à base de guaraná, apresentam maiores valores de sódio em relação aos refrigerantes comuns. “Esses valores mais altos podem ser explicados pelo uso de aditivos, como o ciclamato de sódio”, explica.

E as desvantagens são ainda maiores para pessoas que sofrem com refluxos, azias e gastrites, já que o gás pode fazer mal, piorar o quadro ou aumentar a incidência em pessoas com pré-disposição. “Quanto à água tônica, muitas vezes ela já vem com açúcar e sal, o que pode ser prejudicial em grande quantidade ou se tomar todos os dias”, ressalta. Porém, se a água tônica for utilizada como forma de transição ao consumo excessivo de refrigerante, e não sendo a única fonte para se hidratar, é válido seu consumo, mas sempre em pouca quantidade. Vale lembrar que “o consumo diário de refrigerantes pode causar descalcificação, elevação da acidez do sangue e do estômago, aumento a pressão, câncer, osteoporose, diabetes, obesidade, doença cardiovascular, cálculos renais, cáries, gastrite, entre outros problemas. Por isso, prefira sempre água mineral natural, sem gás e sem aditivos”, alerta.