O que comer para prevenir a enxaqueca?

10/03/2018 | Da Redação
NutriçãoNutrição Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Alimentos ricos em selênio contribuem para a redução do estresse, o que ajuda a combater o problema

Só quem sofre com crises de enxaqueca sabe o quanto o problema é desagradável. Mas, a boa notícia é que os sintomas podem ser amenizados com uma boa alimentação, principalmente se estiver combinada a precauções em relação aos fatores de risco, à prática de atividade física regular e ao controle do peso, da pressão arterial e do estresse.

Para Rosana Perim, gerente de nutrição do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo (SP), os alimentos que contêm selênio podem ajudar a diminuir o estresse. Os que possuem triptofano liberam serotonina e trazem a sensação de bem-estar. Já os anti-histamínicos inibem a produção de prostaglandina, hormônio responsável pela sensação de dor.

“No período menstrual, os alimentos ricos em magnésio e em ômega 3 representam um importante papel nessa fase e ajudam no controle das crises”, explica. Em contrapartida, é importante evitar alimentos gordurosos ― que liberam a prostaglandina ―, cafeinados (substâncias que alteram a circulação sanguínea) e bebidas alcoólicas, que provocam a contração dos vasos sanguíneos.

Veja abaixo uma lista de alimentos que são aliados e vilões do problema:

Aliados

Ricos em ômega 3 | Semente de linhaça, atum, sardinha, salmão ou cavala.

Ricos em selênio | Castanhas, amêndoas e amendoim.

Fontes de triptofano | Banana, erva-cidreira, maracujá, pão, arroz, feijão e granola.

Anti-histamínicos | Orégano, cravo, canela e gengibre.

Ricos em magnésio | Amêndoas, avelã, castanha-do-pará, amendoim, alcachofra e espinafre.

Ricos em vitaminas do complexo B | Feijão, lentilha e grão-de-bico.

Vilões

Bebidas com cafeína | Refrigerantes à base de cola, guaraná, café e chá mate.

Bebidas alcoólicas | Vinho tinto, espumantes e destilados em geral possuem fenóis, aldeídos e sulfetos, substâncias que podem provocar vasoconstrição.

Vasodilatadores | Carnes curadas, defumadas, embutidos, salsicha e linguiça.

Liberadores de prostaglandina | Chocolates, queijos duros e frutas cítricas.

Aditivos alimentares | Glutamato de monossódico, presente em temperos, alimentos industrializados e embutidos.