Aprenda a transportar carnes em uma viagem

02/03/2016 | atualizado em 03/03/2016 | Gabriela Martins
Nutrição
Facebook twitter E-mail Imprimir

Fazer compras antecipadamente ajuda a reduzir os gastos

Quem gosta de viajar e prefere levar os alimentos de casa, para evitar os preços turísticos, deve ter alguns cuidados com a conservação dos alimentos, especialmente das carnes, que necessitam de refrigeração. Segundo o chef da Henrique Silva Campos, da CampCarne –empresa de carnes de Campinas (SP) –, as versões já preparadas, para consumo em até 24 horas, não precisam ser congeladas. “Os temperos utilizados na preparação têm propriedades para brecar a proliferação de micro-organismos. Portanto, basta colocar em potes fechados ou embalar a carne e colocar dentro de uma caixa de isopor. Coloque uma quantidade de gelo proporcional à quantidade de carne e feche bem”.  Mas muito cuidado, depois de utilizado o gelo não deve ser realocado para outra função. “A carne poderá soltar suco ou até mesmo sangue durante o trajeto. É importante que este material seja descartado após o uso e a caixa de isopor bem lavada”, ressalta. No caso dos itens vendidos em embalagens a vácuo, o melhor é abri-los e tempera-los apenas no momento do consumo.

Para aquelas que preferem levar tudo congelado, o chef indica separar as peças em pequenas quantidades antes de levar ao congelador e no transporte “não é necessário colocar gelo no isopor” afirma.  Além disso, é essencial deixar os derivados de leite e outros alimentos perecíveis longe das carnes, para evitar contaminação cruzada. Ao chegar no destino, coloque as versões congeladas de volta ao congelador, e as peças que serão consumidas em até 24 horas alocadas em uma geladeira. “Na hora de descongelar, passe a carne do congelador para a geladeira, e não para a pia, isso evita a proliferação dos micro-organismos. Ela deve ser descongelada de dentro para fora, e não ao contrário”, explica Campos.