Cerca de 20% dos brasileiros sofrem de constipação

14/05/2018 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Problema é mais comum entre mulheres

Nada pior do que não conseguir utilizar o banheiro por conta da constipação, não é mesmo? E cerca de 20% da população brasileira sofre com esse problema, sendo mais comum em mulheres. No Brasil, por exemplo, 67% das mulheres sofrem de prisão de ventre, segundo uma pesquisa de 2012, realizada pela Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG).

“Várias são as causas do intestino preso, mas podemos dividi-las em dois grandes grupos: as causas orgânicas e as causas idiopáticas”, explica Décio Chinzon, gastroenterologista do laboratório Lavoisier Medicina Diagnóstica, de São Paulo (SP). As causas orgânicas são externas ao intestino, como hipotireoidismo, uso de medicamentos que causam prisão de ventre, uma dieta pobre em fibras, entre outros fatores que podem ser facilmente identificados. Já as causas idiopáticas correspondem a alterações diretas no funcionamento intestinal, que podem estar ligadas à inervação, musculatura ou hormônios.

Quando a causa é orgânica, basta eliminar o fator que está sendo prejudicial para que o órgão volte a funcionar corretamente. Já quando não é possível identificar a causa, são recomendadas algumas medidas higienodietéticas. “Estimulação por exercícios físicos, aumento da ingestão de água, correção da dieta e alguns medicamentos e suplementos podem ser indicados pelo médico para solucionar o problema”, explica Chinzon.

Além disso, é recomendado consumir 30 gramas de fibras diariamente, uma vez que elas melhoram o trânsito intestinal e previnem a constipação. “O problema está muito mais relacionado ao que se deve comer do que ao que se deve evitar comer. Alimentos ricos em fibras são a base do tratamento”.

Iogurtes também podem ser grandes aliados, uma vez que são fontes de probióticos, que auxiliam no equilíbrio da flora intestinal. “Os pacientes constipados devem sempre procurar orientação médica para investigar o problema, que pode estar relacionado, inclusive, ao câncer do intestino, condição que vem crescendo entre a nossa população”, finaliza.