Diagnóstico precoce melhora a qualidade de vida de pessoas com Alzheimer

07/11/2017 | Da Redação
Saúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista explica quais são os primeiros sinais da doença

idosa conversando com médica sobre alzheimer

A Doença de Alzheimer é uma enfermidade neurodegenerativa progressiva e incurável, isto é, uma doença que provoca destruição progressiva e irreversível dos neurônios. O problema acomete habitualmente pessoas com mais de 65 anos, sendo a causa mais comum de demência na população idosa.

O diagnóstico precoce pode trazer algumas vantagens para o paciente, tais como uma maior capacidade de prever e planejar o futuro nas fases mais avançadas da doença, quando o paciente estará incapacitado para tomar decisões. Sem falar, que o início precoce de tratamentos ajuda a melhorar a qualidade de vida, pois os medicamentos são mais eficazes nas fases iniciais deste mal.

Os primeiros sinais apontados pelos especialistas é o esquecimento de fatos recentes, do cotidiano: data, o que almoçou e as atividades que fez nas últimas 24 horas, por exemplo. Carlos Roberto Massella, geriatra do Hospital Villa-Lobos, da Rede D’Or São Luiz, de São Paulo (SP), explica que o paciente perde a fixação da memória recente. “Em um teste simples, basta você contar um fato após dizer o seu nome ao idoso. Após ser perguntando novamente sobre o seu nome, ele terá esquecido essa informação”, explica.

Começa, então, a prevalecer a memória menos recente do paciente, que passa a se lembrar muito bem de acontecimentos passados.  Ainda diante desse quadro, os exames laboratoriais gerais podem ter resultados normais, mas a tomografia pode mostrar uma atrofia cerebral não compatível com a faixa etária. Bem como também pode se mostrar normal, o que pode ser um quadro de demência reversível por deficiência de vitamina B12. Em todos os casos, o tratamento precisa ser iniciado o mais precoce possível a fim de retardar o avanço da patologia.

Mesmo com o diagnóstico, o especialista explica que o apoio familiar é fundamental para o paciente neste momento, que não se adaptará mais ao ambiente. “Ao primeiro sinal de piora, deve-se procurar o médico, pois qualquer sinal de infecção pode-se piorar o quadro de demência”, orienta.

Além do tratamento clínico, vale a pena investir em atividades que ativam o cérebro de alguma forma, como palavras cruzadas, xadrez, dama ou quebra-cabeça. Dentro de casa, é importante que a família se atente a questões que podem provocar um acidente doméstico, tapetes, que devem ser removidos, uso de corrimãos e barras de apoio tornam-se obrigatórios, entre outras questões que podem variar de acordo com o acometimento da doença.