Entenda as doenças inflamatórias intestinais

09/06/2018 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Diagnóstico precoce é essencial para uma melhor qualidade de vida

mulher com doenças inflamatórias intestinais

As doenças inflamatórias intestinais afetam as partes do corpo relacionadas a digestão de alimentos, absorção de nutrientes e água e, por fim, a eliminação de resíduos. Entre essas enfermidades estão: Doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa.

As duas têm muitas semelhanças, mas a principal diferença entre elas é que a Doença de Crohn afeta o intestino como um todo e pode se manifestar em todos os segmentos do sistema digestivo, da boca até o ânus, além de causar lesões mais graves e até deformidades intestinais. Já a Retocolite Ulcerativa atinge a mucosa intestinal, no intestino grosso no reto.

“São doenças que ainda hoje têm a causa um pouco controversa. O mais aceito é que sejam autoimunes, uma tendência familiar ou da própria pessoa para que o organismo comece a atacar o intestino”, explica Ricardo Minas, médico clínico e cirurgião do aparelho digestivo do Hospital e Maternidade São Luiz, de São Paulo (SP).

Não existe uma forma exata de prevenção e, por isso, é importante ficar atento ao que está acontecendo em seu organismo. Os sinais iniciais podem ser inespecíficos, mas as doenças inflamatórias intestinais geralmente apresentam sintomas como dor abdominal prolongada por mais de um mês, diarreia, sangramento ou catarro pelas fezes e emagrecimento. Nas crianças, o problema é tão grave que prejudicam o ganho de peso e estatura.

O especialista ressalta que os portadores dessas doenças são mais propensos a ter câncer de intestino do que a população em geral. “A evolução da doença é diferente de pessoa para pessoa. Pode ser que o paciente tenha só uma crise ou pode ser de repetição. Por se tratar de uma doença crônica e de evolução incerta, é difícil falar em cura. O objetivo do tratamento, tanto clínico quanto cirúrgico, é manter a enfermidade em remissão, como se estivesse adormecida”, afirma Ricardo.