Exames periódicos são essenciais para identificar endometriose

20/10/2017 | atualizado em 23/10/2017 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Problema afeta a rotina e qualidade de vida da mulher

endometriose

Estima-se que mais de sete milhões de mulheres sofrem de Endometriose no Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva. Com causa incerta, o problema provavelmente tem surgimento por alterações no tecido que reveste o interior do útero durante o ciclo menstrual, para que o óvulo fecundado possa se implantar.

Caso não ocorra a fecundação, o endométrio descama e o óvulo é eliminado por meio da menstruação. Em alguns casos, as células endometriais podem migrar pelo sentido oposto e cair em outros órgãos da pelve, como trompas, ovários, intestino e bexiga, permitindo a implantação deste endométrio e levando à formação de focos de Endometriose.

Parece complicado e você não faz ideia de como identificar o problema? De acordo com o especialista, os principais sintomas que sinalizam o quadro são: cólicas menstruais fortes, dores na relação sexual, dor pélvica, infertilidade e alterações urinárias e intestinais, ou seja, dor na evacuação e sangramento nas fezes durante o fluxo menstrual.

Existem casos que a endometriose é assintomática, ou seja, não apresenta sintomas.

Estes sintomas podem causar incapacitação nas mulheres em suas atividades rotineiras, devido ao constante incômodo, reduzindo a qualidade de vida e a produtividade. Vale ressaltar que existem casos que a endometriose é assintomática, ou seja, não apresenta sintomas. “O ideal é realizar exames periódicos, pois existem tratamentos eficazes que curam as dores e desconfortos” afirma o especialista.

E quando o assunto é tratamento, existem dois possíveis: o clínico – que promove o alívio da dor, além de tentar prevenir e ajudar no processo de retardar a progressão da doença – e o cirúrgico, que ocorre por meio de uma intervenção cirúrgica chamada Laparoscopia, onde as lesões da doença são removidas completamente, contudo, deixando os órgãos reprodutivos intactos. Caso tenha dúvidas e apresente algum dos sintomas citados acima, não hesite em procurar seu médico. Lembrando que o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento e para a melhora na qualidade de vida e bem-estar da mulher.