Mitos e verdades sobre o DIU

05/02/2018 | atualizado em 06/02/2018 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Ginecologista e obstetra de São Paulo (SP) esclarece algumas dúvidas comuns sobre o método

Conhecido popularmente como DIU, o dispositivo intrauterino é um método contraceptivo feito de plástico flexível em forma de “T” que é introduzido no útero pelo ginecologista. Recentemente, o Ministério da Saúde estendeu o acesso ao DIU de cobre para a rede pública de saúde.

Ele será oferecido em maternidades para mulheres no pós-parto ou no pós-abortamento. Antigamente, o acesso era somente por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBS). Maria Elisa Noriler, ginecologista e obstetra de São Paulo (SP), esclarece algumas dúvidas comuns sobre o método.

Pode atrapalhar a relação sexual

Mito. O DIU possui um fio bem fino, que ajuda na hora de sua retirada, mas esse item não atrapalha em nada na hora da penetração e também não prejudica a sensação de prazer da mulher.

Mulheres que ainda não tiveram filhos podem usar

Verdade. Mas o recomendado é consultar o médico ginecologista.

Há uma faixa etária ideal

Mito. Não existe idade certa, desde que a mulher tenha recebido aconselhamento adequado sobre o uso.

Dói para colocar

Mito. A maioria das pacientes sente apenas um leve desconforto, como cólica menstrual, no momento da implantação.

Pode prejudicar a fertilidade da mulher

Mito. Mesmo após uso prolongado do método, a fertilidade volta pouco tempo depois da retirada.

Requer outro método adicional

Verdade. O ideal é que não se interrompa o uso de preservativo, seja feminino ou masculino, na hora da relação sexual, já que o DIU não garante proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis.