Incidência de osteoporose aumenta após a menopausa

17/11/2017 | Da Redação
Saúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista explica por que as mulheres devem ter atenção e se prevenir contra a doença

desenho de um esqueleto para ilustrar matéria sobre osteoporose

Silenciosa e com evolução sem sintomas aparentes, a osteoporose é a perda acelerada de massa óssea, que ocorre no envelhecimento. Aos poucos, os ossos vão se tornando porosos como uma esponja, até um ponto que fraturam. E as mulheres, na fase da menopausa, são o grupo que mais deve ter atenção.

Isso porque “com a queda acentuada dos níveis de estrogênio, reduz-se o nível de osteoprotegerina, substância que ajuda a manter a microestrutura óssea, tornando-a mais frágil”, afirma a endocrinologista Amalia Lucy.

A doença pode levar a dores crônicas, dificuldades para respirar e se locomover, além de aumentar o risco de fraturas, que ocorrem mais comumente em locais como coluna, punho, braço e quadril. Desta forma, para se prevenir, a especialista faz algumas observações: “Níveis adequados de cálcio, que podem ser obtidos na alimentação, e de vitamina D, cuja principal fonte é o sol, podem prevenir ou até reverter em parte a diminuição da massa óssea e, quando indicado, podem ser prescritos medicamentos específicos”.

Ainda de acordo com Amalia, “os atuais tratamentos não revertem a perda óssea completamente. Na maioria das vezes, o diagnóstico acontece após uma fratura ou com doença já avançada. Sendo assim, a melhor estratégia é prevenir ou buscar ativamente, com exames como a densitometria óssea, além de acompanhamento com especialista”, finaliza.