Osteoporose: conheça as causas e tratamentos

11/05/2017 | atualizado em 15/05/2017 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Mulheres são mais acometidas pelo problema durante a menopausa

tablete com o texto osteoporose

Cerca de dez milhões de brasileiros são afetados pela osteoporose, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O quadril, a coluna e o joelho são locais muito prevalentes de lesões relacionadas à doença, que é causada pela perda da densidade do osso, tornando-o mais fraco e propenso a fraturas, secundários a perda de cálcio de sua estrutura.

Na maioria dos casos o problema está relacionado ao envelhecimento e pode se manifestar em ambos os sexos, sendo as mulheres mais afetadas na menopausa – devido à queda hormonal – e os idosos em geral.

A osteoporose tem uma tendência a hereditariedade. As pessoas com histórico familiar de osteoporose, possuem maior tendência a desenvolvê-la, em comparação com as pessoas que não tem esse histórico. A osteoporose é silenciosa, não apresenta sintomas, sendo diagnosticada geralmente após quedas ou traumas de baixo impacto.

As pessoas com histórico familiar de osteoporose, possuem maior tendência a desenvolvê-la, em comparação com as pessoas que não tem esse histórico

Quando o problema está relacionado à queda dos hormônios – como o estrógeno – recomenda-se a reposição hormonal (em alguns casos). O tratamento no caso de idosos além de exercícios de impacto – que estimulam o aumento da densidade óssea – algumas medicações, como o alendronato podem auxiliar. É imprescindível a avaliação de um médico clínico para pesquisa de outras causas (problemas na tireoide, na paratireoide, perda de cálcio pelos rins, etc). Na maioria dos casos é reversível.

As principais causas da osteoporose são as alterações no metabolismo ósseo, a deficiência de cálcio e vitamina D, o envelhecimento, menopausa, doenças sistêmicas e autoimunes, relacionadas ao uso de medicamentos (como corticoides e anticonvulsivantes), ou devido ao desuso. Realizar avaliações médicas periódicas, alimentação adequada e atividades físicas regulares são a melhor maneira de prevenir a doença e evitar suas complicações.