Sete vacinas que não devem faltar na fase adulta

11/05/2018 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

A imunização contra a rubéola e hepatite fazem parte desse grupo

Diferentemente do que muito se pensa, a vacinação se limita à infância. Existe uma série de vacinas que devem ser tomadas na fase adulta e que são indispensáveis para a prevenção de doenças graves. “As inúmeras doenças que se manifestam mais na vida adulta são fortes indicadores de que o indivíduo precisa se vacinar”, explica Ligia Pierrotti, infectologista do Alta Medicina Diagnóstica, de São Paulo (SP).

E gestantes, idosos e portadores de doenças crônicas precisam ter ainda mais atenção à imunização, uma vez que fazem parte do grupo de risco de diversas enfermidades. “No caso das bactérias, a vacinação é feita para controlar surtos epidemiológicos e, para o caso dos vírus, a imunização normalmente dura a vida toda, sendo necessárias apenas algumas doses de reforço para garantir que a doença não vai mais voltar”, ressalta.

Confira abaixo sete vacinas que não podem ficar de fora da carteira de vacinação.

Vacina Dupla tipo adulto – para difteria e tétano | A primeira parte da imunização contra difteria e tétano é realizada em três doses, que devem ser tomadas no intervalo de dois meses. Depois disso, é preciso realizar o reforço a cada dez anos, até o final da vida.

Vacina Tríplice-viral – para sarampo, caxumba e rubéola | Essa vacina normalmente é tomada na infância em duas doses. No entanto, caso a pessoa não a tenha adquirido, é importante realizar a imunização na vida adulta para proteger as crianças com que convive e, no caso das mulheres que pretendem ser mães, impedir complicações na gravidez – uma vez rubéola é bastante perigosa quando acomete gestantes, podendo causar deformidades no feto.

Vacina contra a hepatite B | Até os 24 anos, todas as pessoas podem tomar essa vacina gratuitamente em postos de saúde. Após esse período, a gratuidade é mantida apenas para pessoas que fazem parte do grupo de risco. “Pessoas que tenham contato com sangue, como profissionais de saúde, podólogos, manicures, tatuadores e bombeiros, ou que tenham relacionamentos íntimos com portador da doença são as mais expostas a essa doença”, afirma.

Pneumo 13 – Pneumonia | Apesar de ser uma vacina muito importante, uma vez que fez protege contra os 13 tipos de bactérias causadoras da pneumonia, essa vacina não é disponibilizada na rede pública de saúde.

Vacina contra a febre amarela | É indicada para pessoas que moram ou desejam visitar algum local com alto índice da doença.

Vacina contra o Influenza (gripe) | É indicada para pessoas que já passaram dos 60 anos. “Muitas pessoas deixam de tomá-la com medo da reação que ela pode causar, mas isso é um mito, já que a suposta reação do corpo não tem nada a ver com a vacina, e sim com a própria gripe”, diz a infectologista.

HPV | Está disponível tanto para homens quanto para mulheres, e previne os principais tipos de Papilomavírus Humano (HPV) – uma das principais causas do câncer de colo de útero. Existem dois tipos dessa vacina: a bivalente e a quadrivalente. A primeira protege dos tipos 16 e 18 da doença e só pode ser aplicada em mulheres. Já a segunda protege tanto do 16 e 18, quando dos tipos 6 e 11, e serve também para homens.