Cirurgia é o melhor tratamento para catarata

18/05/2017 | atualizado em 22/05/2017 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

O procedimento é o único que preserva a visão

catarata

A catarata é responsável por 51% dos casos de cegueira no mundo, o que representa cerca de 20 milhões de pessoas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O tipo mais comum da doença é a catarata senil, em que há o envelhecimento natural do cristalino ao longo da vida.

Além desse, existe também a catarata congênita, na qual o bebê já nasce com catarata (forma mais rara) e causas secundárias como o uso crônico de corticoide, doenças metabólicas, diabetes, uveítes (inflamação intra-ocular), trauma e exposição excessiva à radiação ultravioleta.

“A catarata é uma doença silenciosa, que se desenvolve lentamente, dificultando a chegada de luz à retina e consequentemente reduzindo a visão. É como se você, olhasse para uma janela embaçada. Essa visão ‘nublada’ dificulta tarefas do dia a dia, como ler, dirigir e até enxergar as pessoas”, explica Fernando Wanna Pereira, médico oftalmologista da Clinica Fares, de São Paulo (SP).

O diagnóstico da enfermidade é feito pelo oftalmologista por meio do exame de biomicroscopia acompanhado de dilatação da pupila

O diagnóstico da enfermidade é feito pelo oftalmologista por meio do exame de biomicroscopia acompanhado de dilatação da pupila. Outros exames complementares podem ajudar no diagnóstico, como: Acuidade Visual Potencial (PAM), microscopiaespecular, paquimetria, fundoscopia, mapeamento de retina, retinografia, Tomografia de Coerêcia Ótica (OCT), Pressão Intraocular (PIO), ecografia (ultrassonografia ocular), biometria, aberrometria ocular, entre outros.

O médico afirma que a única forma de tratar a doença é com a cirurgia, que consiste em retirar o cristalino do olho e implantar uma lente artificial em seu lugar. “É fundamental que a população tenha consciência da gravidade e busque ajuda médica. Ao contrário do que pode ser dito, não existem colírios ou qualquer outro tratamento clínico para correção de nenhum tipo de catarata”, conclui.