Entenda a psoríase e saiba como tratá-la

08/02/2017 | atualizado em 12/02/2017 | Da Redação
Saúde
Facebook twitter E-mail Imprimir

Essa doença autoimune e não transmissível atinge cerca de 2% da população mundial

Se você sofre de lesões vermelhas na pele, que apresentam descamação, saiba que pode estar sendo vítima de psoríase – doença autoimune não transmissível, que atinge cerca de 2% da população mundial. “A psoríase é uma inflamação onde os anticorpos começam a bombardear [agredir] os queratinócitos [célula produtora de queratina, proteína morta que reveste e forma o estrato córneo]. Em resposta a essa agressão, os queratinócitos começam a se proliferar, multiplicando-se de maneira muito mais rápida e não ocorre o processo natural de descamação, por isso existe a formação das crostas”, explica Claudia Marçal, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia, de Campinas (SP). Após a formação das crostas há a fase do orvalho sangrento, que de acordo com a especialista, ocorre com a remoção das crostas, que resulta em um processo de micropontos de sangramento no local.

 

Claudia afirma que a doença geralmente ocorre por predisposição genética. “Pode estar relacionada ao histórico familiar, não só da psoríase em outros membros da família, mas outras doenças autoimunes como artrite reumatoide, tireoidite de Hashimoto, vitiligo, ou seja, existe uma pré-disposição pessoal ou familiar”, diz. Ela destaca, ainda, que alguns fatores ambientais – em especial o estresse – podem acionar o quadro agudo do problema. É preciso destacar que a psoríase não tem cura, mas pode ser controlada em até 100%. Para isso é necessário realizar uma análise do grau da enfermidade. “Nos casos leves: hidratar a pele, aplicar medicamentos tópicos apenas na região das lesões e exposição diária ao sol são suficientes para melhorar o quadro clínico e promover o desaparecimento dos sintomas”, comenta. Outros tratamentos são o uso de corticoides ou de substâncias à base de Vitamina D, biológicos injetáveis, medicação oral e tratamentos terapêuticos como a fototerapia, terapia sistêmica convencional e terapia biológica.