Perigos do alongamento de unhas

Técnicas podem causar infecções e problemas como fragilidade e quebra

Unhas de gel, porcelana, fibra de vidro e acrílica são muito usadas por mulheres que querem alongar a ponta dos dedos. Mas fique atenta, pois há riscos. “Alérgicos aos componentes do adesivo, pessoas com a pele sensível, com psoríase da unha ou infecção devem evitar, pois os sintomas podem se agravar”, explica Valéria Marcondes, dermatologista de São Paulo (SP).

Além disso, também podem surgir outros problemas: “Todas estas formas de alongamento são coladas e, ao serem retiradas, levam junto camadas de queratina das unhas naturais, que ficam frágeis e quebradiças”, explica a dermatologista Thais Pepe, também de São Paulo.

Fungos e bactérias

Mas não é só. Os materiais que compõem as unhas postiças podem causar processos alérgicos, dependendo da sensibilidade individual. “Também pode acontecer de se descolarem um pouco das unhas, facilitando a entrada de umidade. Dessa forma, cria-se um ambiente perfeito para fungos e bactérias”, alerta Thais. Os sinais de bactérias são pontos esverdeados e, de fungos, amarelados e pretos.

Procure um médico

Sempre que aparecerem estes sintomas deve-se retirar o material com um profissional habilitado, para evitar maiores danos. Depois, é necessário ficar no mínimo 6 meses sem reaplicar as postiças e deixar as unhas naturais curtas. Se as unhas apenas ficarem quebradiças e fracas, também vale a pena procurar um dermatologista, que poderá indicar fórmulas tópicas ou orais para fortalecê-las.