Qual a prótese de mama ideal?

Cirurgião plástico dá dicas sobre escolha dos tipos de silicone

A escolha do tamanho e do formato da prótese mamária deve ser definida pelo cirurgião plástico em conjunto com a paciente. O médico deve avaliar o biótipo da paciente, a tendência à flacidez e qual a sua expectativa, levando em conta a altura da prótese (projeção para frente) e largura (diâmetro). A seguir, o cirurgião plástico Marco Cassol, de São Paulo, comenta sobre os diferentes tipos de próteses.

Cônica ou perfil superalto | O volume é concentrado no centro, por isso os seios ficam projetados para frente. É considerado um formato de colo médio, que dá resultado mais discreto. Recomendada para quem tem o tórax estreito e os seios pequenos, já que a base do busto não é alargada e a projeção para frente é bem evidente.

Redonda ou perfil alto | É um dos formatos mais pedidos, por marcar bastante o colo. Indicado para quem possui o tórax proporcional e já tem naturalmente um volume considerável nas mamas.

Perfil baixo e moderado | Possui maior diâmetro e menor projeção — ou seja, a base é mais larga e a altura é mais baixa do que as anteriores. Não projeta a mama para frente, por isso, é indicado para quem possui o tórax mais largo e não quer que o seio fique em evidência.

Prótese anatômica ou formato de gota | A maior parte do volume de silicone é concentrado na parte de baixo, proporcionando o aumento da mama sem perder o contorno natural. Deixa a mama sem projeção, o colo fica pouco marcado e a parte inferior dos seios ganha mais volume. O resultado é bem natural. É utilizado basicamente em cirurgias para reconstrução da mama.