Esclareça cinco mitos sobre o suicídio

02/10/2017 | Da Redação
Bem-estarBem-estar Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Especialista explica a verdade sobre crenças comuns

fita amarela, símbolo da prevenção ao suicídio

Há quem diga que o comportamento suicida é somente para chamar atenção, que o problema acontece de uma hora para outra, ou que sobreviver a uma tentativa significa estar livre do transtorno. Para desmistificar essas e outras crenças, Pense Leve traz abaixo esclarecimentos de Ricardo Frota, médico psiquiatra e especialista em saúde mental, de São Paulo (SP). Veja!

  1. As pessoas que falam sobre o suicídio não farão mal a si próprias, pois querem apenas chamar a atenção | “Isto é um mito. A família e as pessoas mais próximas devem tomar as precauções necessárias sempre que confrontado por um indivíduo que fale de ideação, de intenção ou de um plano suicida. Todas as ameaças de se fazer mal devem ser levadas muito a sério”, destaca.
  2. O suicídio é sempre impulsivo e acontece sem aviso | “Também é falso. Morrer pelas próprias mãos pode parecer ter sido impulsivo, mas o suicídio pode ter sido ponderado durante algum tempo. Muitos indivíduos suicidas comunicam algum tipo de mensagem verbal ou comportamental sobre as suas ideações da intenção de se fazerem mal”, ressalta.
  3. Os indivíduos suicidas querem ou estão decididos a se matar | “Essa afirmação está completamente equivocada. A maioria das pessoas que se sente suicida partilha os seus pensamentos com pelo menos mais uma pessoa, ou liga para uma linha telefônica de emergência ou para um médico, o que constitui prova de ambivalência, e não de empenhamento em se matar”, explica.
  4. Quando um indivíduo mostra sinais de melhoria ou sobrevive a uma tentativa de suicídio, está fora de perigo | “Na verdade, um dos períodos mais perigosos é imediatamente depois da crise, ou quando a pessoa está no hospital, na sequência de uma tentativa. A semana que se segue à alta do hospital é um período durante o qual a pessoa está particularmente fragilizada e em perigo de se fazer mal. Como um preditor do comportamento futuro é o comportamento passado, a pessoa suicida muitas vezes continua em risco”, alerta.
  5. O suicídio é sempre hereditário | “Isso é falso. Nem todos os suicídios podem ser associados à hereditariedade e estudos conclusivos são limitados. Uma história familiar de suicídio, no entanto, é um fator de risco importante para o comportamento suicida, particularmente em famílias onde a depressão é comum”, observa.