Dicas para correr na praia

A prática é muito comum nas estações mais quentes

Fazer longas caminhadas na praia e sentir a areia sob os pés é uma das melhores sensações do verão, e, nos casos de corrida, é sinônimo de maior trabalho de condicionamento físico e fortalecimento muscular. Além disso, estudos comprovam que correr um quilômetro e meio na areia queima 60% mais calorias do que o mesmo percurso em asfalto.

Mas não é só, treinar à beira mar ainda trabalha os tornozelos, as articulações e a região abaixo do joelho. O terreno arenoso beneficia também quem realiza saltos, deslocamentos laterais e ziguezagues.

“Como a praia é uma superfície irregular, macia e pesada — no caso da areia fofa —, há um aumento do estímulo proprioceptivo, que gera maior controle muscular e estabilidade das articulações do quadril, joelho e pé”, diz Antonio Alexandre Faria, ortopedista da clínica North Trauma, de São Paulo (SP). “Exercícios na areia fofa queimam mais calorias porque o gasto energético para realizar os movimentos é maior”, afirma. Mas antes de investir nesse tipo de treino, veja vantagens e riscos que ele oferece.

Os perigos possíveis | O mais importante é considerar o nível de preparo físico do praticante antes de começar as atividades. “Uma pessoa que nunca praticou atividade física não deve se arriscar em uma corrida na areia fofa. Ela vai forçar a lombar e as articulações. As chances de se lesionar são enormes, além da possibilidade de torcer o pé, que não está com a musculatura preparada para um piso irregular”.

Areia fofa e areia dura | A corrida na areia cansa muito mais, por isso, é necessário ir mais devagar. “O fim do treino pode ser feito com a água batendo na canela, em um ritmo mais leve. Assim os músculos relaxam e o corredor continua trabalhando”. comenta. O trabalho realizado na areia fofa é de força específica ou especial, onde a areia serve como uma resistência extra a ser ultrapassada. “Isso gera um fortalecimento específico da musculatura utilizada na corrida”. Já na areia batida, não existe muito impacto, quando comparado ao asfalto, e isso diminui o estresse nas articulações, o que é muito bom para o início de temporada, segundo o especialista. Isso significa há como alternar entre areia fofa e dura e fazer um trabalho de base.

Cuidados de sempre | O ortopedista atenta para os cuidados necessários ao fazer um treino de corrida na praia. “Basicamente eles são os mesmos para quem corre na cidade: aquecimento antes e alongamento pré e pós-treino. Na areia a exigência é maior, portanto a necessidade de alongar a musculatura também aumenta”, ressalta

Evite as inclinações |Em muitas areias, as inclinações podem ser altas, o que pode inviabilizar a corrida em função do risco de lesões. De acordo com Antonio, as contusões no joelho são as mais comuns nos atletas que realizam treinos nesse tipo de terreno. Se não houver alternativas de solo plano ou quase, é melhor deixar os treinos na areia, pois os malefícios serão maiores que os benefícios.

O uso de tênis | O ideal é que você não faça os treinos na praia descalço. Se a areia for fofa, não existe contraindicação, porém, na areia dura – a mais próxima à água- o ideal é o uso de um tênis com amortecedor. “A terra batida amortece menos, o que aumenta a chance de inflamação e problemas como a tendinite, principalmente na planta do pé”. Já na areia fofa, como ela absorve o impacto, a chance de processos inflamatórios diminui. Porém aumenta o risco de entorses, já que o terreno tem menos estabilidade.

Regiões beneficiadas | Toda musculatura envolvida no gesto motor da corrida é trabalhada durante esse treino, como os posteriores de coxa, panturrilha, tibial anterior, musculaturas estabilizadoras (abdominal e dorsal).

Horário | É recomendado correr no período de antes das 10h e após às 16h. Em algumas praias iluminadas pode-se correr no início da noite.