Saiba escolher o tênis ideal para corrida

Identificar seu tipo de pisada será determinante
Mulher amarrando tênis
Frau bindet sich die Schuhe

Usar o tênis certo para cada atividade física pode prevenir lesões e outros problemas ortopédicos. Com um tênis sem um amortecimento adequado, há maior sobrecarga nas articulações do joelho e do quadril, que podem levar a uma degeneração precoce da coluna.

Os tênis de corrida devem ter bom sistema de ventilação e ser leves, para que a atividade flua melhor. Também são essenciais os amortecedores dianteiros, para absorver o impacto nas pernas, nos pés e nos joelhos. A ventilação é importante para que o pé não acumule muita umidade.

Antes de escolher o modelo do tênis, o corredor precisa conhecer os diferentes tipos de pisada e saber qual é o seu. O tipo de pisada é determinado pelas características anatômicas do indivíduo: tipo de pé (normal, plano ou cavo), disposição dos joelhos, ângulo formado entre o joelho e o quadril e a flexibilidade de articulações como a do tornozelo.

Segundo Antonio Alexandre Faria, ortopedista da Cotesp Medicina Esportiva, existem basicamente três tipos de pisada: normal, em que se inicia o contato com o solo do lado externo do calcanhar e então ocorre uma rotação moderada para dentro, terminando a passada no centro da planta do pé; pronação, em que a pisada também se inicia do lado externo do calcanhar ou um pouco mais para a parte interna, para então ocorrer uma rotação acentuada do pé para dentro, terminando a passada perto do dedão; e supinação, em que a pisada se inicia no calcanhar do lado externo e se mantém o contato do pé com o solo do lado externo, terminando a pisada na base do dedinho.

Em geral, os atletas se confundem e acham que pisam para fora (supinação) pois observam o desgaste do solado no calcanhar no lado de fora. Mas todos os tipos de pisada (inclusive a pronação)  começam apoiando o calcanhar do lado de fora. O quanto o pé roda para dentro no final da pisada é o que deve ser observado para indicar o tipo de pisada. Por isso, quando se faz a análise do desgaste do solado, deve-se observar o desgaste na planta do pé e não no calcanhar.

Se o atleta for um pronador acentuado e usar um modelo mais indicado para supinação, que oferece muito amortecimento e pouca estabilidade, poderá aumentar a instabilidade do tornozelo, aumentando o grau de pronação. Este tipo de movimento ao longo do tempo sobrecarrega as articulações e pode gerar lesões.

A melhor forma de se avaliar como se pisa é a avaliação biomecânica em laboratório com câmeras bi ou tridimensionais e marcadores refletivos em posições específicas.