A dieta que melhora epilepsia

Trata-se da cetogênica, que auxilia na diminuição de crises em casos de epilepsia refratária

A dieta cetogênica, que privilegia gorduras e é conhecida por proporcionar emagrecimento rápido, também pode diminuir crises epiléticas. Se adotada com rigor por, no mínimo, 3 meses, apresenta bons resultados para os pacientes que têm a doença.

No mundo, mais de 50 milhões sofrem com essa enfermidade. Para 30% deles, portadores de epilepsia refratária, o uso só de medicamentos não é totalmente eficiente. A alimentação entra como um complemento ao tratamento. “A dieta ajuda pacientes que tomam medicamentos em dose máxima e, mesmo assim, não têm as crises controladas”, explica a médica Fernanda Silva, especializada em medicina integrativa, do Rio de Janeiro (RJ).

O cardápio à base de gorduras pode diminuir pela metade a incidência de crises epilépticas. Mas, como qualquer tratamento, precisa ser prescrito e acompanhado por um nutrólogo, e sem deixar de lado as recomendações do neurologista.

Como a dieta ajuda nas crises?
Para funcionar, o cérebro precisa de uma fonte de energia, que pode ser carboidrato ou gordura. Numa dieta convencional, metade dos alimentos são carboidratos, como massas, cereais, frutas e o próprio açúcar, que causa picos de energia no corpo humano.

“O cérebro de quem tem epilepsia sofre descargas de energia mais fortes. Portanto, esses picos não são bons”, explica Fernanda.

O ideal é garantir ao cérebro uma fonte de energia estável, como os corpos cetônicos, provenientes da oxidação de gordura feito pelo fígado. “ Eles têm efeito sedativo no sistema nervoso central porque dão mais estabilidade neuronal”, diz a médica.

O que comer?
A Associação Brasileira de Epilepsia indica tanto gorduras insaturadas quanto as saturadas, como castanhas, creme de leite e toucinho. De carboidratos, apenas os complexos, como frutas, legumes e verduras. As fontes de proteína são as de origem animal: ovos, carnes bovinas e suínas, frango, peixes e frutos do mar.

“Massas podem ser trocadas por espaguete de legumes, como abobrinha e cenoura. Saladas com folhas e tomates podem ser consumidas à vontade. As porções de raízes e frutas devem ser em pequenas quantidades e outras fontes de gordura como abacate, coco e azeite de oliva também são indicados”, lista.