Margarina ou manteiga?

Médica revela qual é a melhor opção

Apesar de igualmente saborosas, a margarina e a manteiga possuem grandes diferenças. Renata Domingues, médica de São Paulo (SP) especializada em Nutrologia, diretora responsável pela Clínica Adah e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia Médica (Abranutro), explica:

Margarina | É feita a partir de óleo vegetal, que passa por um processo chamado de hidrogenação, no qual é transformado de líquido para sólido pela adição de hidrogênio. Nesse processo, uma parte das gorduras insaturadas do óleo se transforma em gordura trans. “Ou seja, a margarina é uma gordura criada artificialmente que conta com conservantes e componentes em sua composição que aumentam os riscos de doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e as chances do desenvolvimento de diabetes tipo 2”, diz.

Manteiga | Trata-se de um produto de origem animal derivado do leite. É obtido através da nata do leite batida, que se transforma em um creme de leite com soro e glóbulos de gordura. A parte líquida é retirada e o que sobra, ou seja, a parte gordurosa, é a manteiga.  Por ser composto exclusivamente da gordura retirada do leite, é rica em gorduras saturadas e colesterol.

Por serem compostas basicamente de gorduras, ambas são calóricas.

“Mas as gorduras são diferentes. Por ser de origem animal, a saturada, presente na manteiga, é mais bem reconhecida pelo nosso corpo e é digerida com mais facilidade. O que não quer dizer que é 100% saudável, pois aumenta tanto o colesterol ruim quanto o bom, além de existir o risco de acumular nas paredes das artérias, favorecendo doenças cardíacas com o infarto. Já a trans, que compõe a margarina, é mais difícil de ser reconhecida e digerida pelo organismo por ser de origem vegetal e quimicamente alterada, o que aumenta as chances de ficar acumulada nos vasos sanguíneos e órgãos importantes”, esclarece.

Por isso, a médica considera que a manteiga é a opção mais saudável – mas deve ser consumida com moderação, de preferência seguindo a medida recomendada, que é de apenas uma colher de chá por dia.