Saiba driblar a resistência alimentar do seu filho

Algumas estratégias estimulam e adaptam a preferência dos pequenos
child girl does not like and does not want to eat vegetables

Seu filho é quieto, engraçado e meigo, mas todo esse conjunto de qualidades deixa de existir quando vocês estão diante da refeição. Reclamação, lágrimas e gritos são as armas que ele usa para evitar certos alimentos (geralmente saudáveis e nutritivos!) que desagradam. Diante dessa situação uma coisa é certa: você não pode parar de se preocupar com o cardápio dos pequenos. “Alguns pais preferem oferecer uma bolacha recheada ou um chocolate para não deixar a criança passar fome. Trata-se de um equívoco recorrente – até pela correria do dia a dia – que torna a situação mais complicada”, pondera Daniela Gomes, nutróloga e pediatra do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo (SP).

A solução? Investir na criatividade! Como os principais alimentos rejeitados são as verduras, legumes, frutas, grãos e as carnes, é possível contornar a situação e explorar as formas de apresentação do prato, por meio de cores e abusar de temperos naturais (manjericão, salsinha, hortelã), além de incluir os pequenos no preparo desses alimentos. “Se a carne em pedaços não agrada, opte pela moída na forma de hambúrguer. Beterraba e cenoura são ótimas para dar cor aos sucos”, sugere Daniela.

E para evitar que você sofra com a resistência de seu filho, a especialista indica a adaptação desde a transição da amamentação para os alimentos mais sólidos. É essencial que os pais ofereçam desde os seis meses de vida um cardápio variado para explorar o paladar e a sensibilidade tátil dos pequenos, acostumá-los com salgado, doce, azedo, pratos quentes, frios e de diferentes consistências. “Ao contrário dos adultos, os pequenos estão em fase de experimentação, ainda não têm preconceito contra qualquer tipo de alimento. Por isso não se deve forçá-los a comer, nem fazer chantagem ou trocas, o ideal é oferecer várias vezes o mesmo alimento”, afirma a nutróloga.