Solução natural contra a compulsão por doces

 Homeopata fala sobre a garcínia, fruta capaz de regular o apetite

Aquela vontade descontrolada de comer um docinho no meio da tarde pode ser uma resposta do organismo à exaustão do cérebro, pedindo uma reposição de energia emergencial – o açúcar é o alimento dos neurônios, as células cerebrais. “Por isso, pessoas que trabalham muito e usam muito a energia cerebral sentem tanta falta de doces”, explica o farmacêutico homeopata Jamar Tejada, do Rio Grande do Sul.

“Quando há esse descontrole, o cérebro pede glicogênio, e, naturalmente, quer a glicose de rápida absorção, que são os doces. Só que o consumo de alimentos de alto índice glicêmico gera um pico de glicose. Mas se, no momento em que você comeu não houve uma atividade que exigisse energia, seu corpo a armazenará em forma de gordura. Pouco tempo depois, com a queda brusca de glicemia, o mecanismo da fome é ativado novamente, virando um ciclo vicioso”, explica o especialista.

Driblando o problema

Uma das maneiras de se esquivar das guloseimas é preferir carboidratos de baixo índice glicêmico. “Além disso, manter o equilíbrio nutricional vai diminuir muito o impulso por doces. Mas, antes de tudo, é preciso ter atenção ao que desperta essa vontade. É preciso reabilitar o estilo de vida e rotina e rever as reais necessidades”, ensina Jamar. “A realização de exames laboratoriais é fundamental para descobrir se essa compulsão não é devido a uma possível diabetes ou uma disfunção na tireoide, por exemplo”, completa.

Solução naturais

Se a vontade de doce persistir, uma alternativa natural é uma fruta nativa do sul da Ásia chamada garcinia. “Ela possui efeito regulador do apetite, mas sem os danos comuns que os medicamentos tradicionais podem causar. Pode-se usar um spray com a tintura dessa planta ou ainda tomá-la em cápsulas, mas sempre com orientação e indicação de um profissional de saúde”, finaliza Tejada.