A importância dos exames no primeiro ano de vida dos bebês

11/09/2018 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Por meio desses testes é possível conhecer o desenvolvimento da criança e identificar doenças precocemente

Assim como durante a gestação, o acompanhamento médico é essencial no primeiro ano de vida do bebê. Dessa forma, é possível conhecer o desenvolvimento da criança e identificar precocemente doenças que podem se desencadear ao longo da vida. Com apoio da Agência Nacional de Saúde (ANS), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que a primeira consulta pediátrica ocorra na 32ª semana de gestação.

A partir daí, o pediatra orienta a mãe sobre os cuidados com a alimentação, aleitamento materno e com recomendações para o parto. Na primeira semana após o nascimento, deve acontecer a primeira consulta presencial, com direito a verificação da amamentação e dicas para facilitar o dia a dia da mãe.

“Após essa primeira visita, as consultas são mensais até a criança chegar aos seis meses, depois trimestral até chegar a um ano. Passado o primeiro ano, o pediatra indica a periodicidade adequada”, informa Tadeu Fernandes, presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP). Conheça os exames que fazem parte da triagem neonatal e servem para diagnosticar alterações e doenças.

Teste do Pezinho | É retirada uma pequena quantidade de sangue do pé, que será usada para identificar uma série de doenças hereditárias raras. Quando há intervenção precoce, é possível prevenir grandes sequelas no futuro, como o hipotireoidismo congênito, que afeta o desenvolvimento neurológico da criança.

Teste da Orelhinha | Verifica se a criança ouve normalmente dos dois ouvidos.

Exame do Olhinho | Chamado clinicamente de teste do reflexo vermelho, avalia a visão da criança e doenças como catarata congênita ou neuroblastoma, um dos tumores mais frequentes na infância.

Teste do Coraçãozinho | Avaliação da capacidade de oxigenação do bebê e de possível cardiopatia congênita.