Dor de cabeça pode ser problema na coluna

Entenda a relação entre os incômodos e saiba prevenir a cefaleia cervicogênica
mulher com dor de cabeça

Pelo menos 63 milhões de brasileiros de todas as idades sofrem com dores de cabeças frequentes, de acordo com dados de pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina. E pior: o incômodo pode ser sinal de alerta para outros problemas ainda mais graves.

De acordo com Helder Montenegro, fisioterapeuta e diretor do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, de Fortaleza (CE), as dores podem ser sintomas até mesmo de problemas na coluna.

“A cefaleia pode ser uma mensagem do corpo. E o médico não deve apenas tratar o problema com remédios. Até mesmo a má postura pode causar uma dor conhecida com cefaleia tensional. Os nervos da coluna acabam ficando comprimidos com a posição incorreta e a dor é irradiada para a cabeça. Além disso, no caso das dores crônicas, a causa pode ser uma hérnia de disco, cervical, bico de papagaio e osteoporose”, afirma.

A má postura pode causar uma dor conhecida com cefaleia tensional

Para Montenegro, é importante prestar atenção em posturas mantidas por mais de 20 minutos e, principalmente, tomar cuidado com os movimentos com o pescoço, área mais próxima das três primeiras vértebras cervicais, a região onde se origina a cefaleia cervicogênica.

Essa variação do problema é responsável por 15% a 20% de todas as dores de cabeça e consiste em uma disfunção nos primeiros segmentos da coluna cervical. O tratamento do mal normalmente é dividido em duas etapas, sendo o primeiro momento direcionado inteiramente para o alívio da dor, com ação medicamentosa.

“Em um segundo momento, quando a dor já estiver mais aliviada, é necessário corrigir a postura do paciente. Por isso, é recomendado sessões de fisioterapia, que ajudar a reorganizar a postura e a musculatura. Algumas técnicas são usadas com bastante eficácia no caso da cefaleia cervicogênica, como a termoterapia, laser, digitopressão, ultrassom terapêutico ou outros meios físicos”, explica o fisioterapeuta.

Para prevenir o problema, Montenegro indica aliviar a tensão no pescoço (movimentando a cabeça para frente e para trás em ritmo lento), evitar poltronas ou colchões muito macios, não permanecer na mesma posição por mais de 20 minutos, segurar aparelhos de telefone com as mãos e não com os ombros, evitar manter a cabeça abaixada para leitura.