Enxaqueca e problemas cardíacos: entenda essa relação

Especialista cita pontos que devem ser levados em consideração na prevenção do problema
health, medicine, people and cardiology concept - close up of happy woman with cardiogram on small red heart

O público feminino é o que mais sofre de enxaqueca, problema que está associado ao desenvolvimento de problemas cardiovasculares. E o risco ainda é maior em mulheres que fazem uso de anticoncepcionais. De acordo com Leopoldo Piegas, cardiologista responsável pelo Programa de Infarto Agudo do Miocárdio do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo (SP), durante a crise de enxaqueca a pessoa tem uma isquemia rápida (insuficiência de irrigação sanguínea), que normalmente regride sozinha.

“Mas, em alguns pacientes, essa isquemia se mantém e pode provocar a morte celular na área afetada pela isquemia. O anticoncepcional, assim como o cigarro, é outro fator de risco que pode comprometer a circulação do sangue. Por isso, as mulheres que somam esses dois componentes à enxaqueca correm sérios riscos”, explica. Siga as orientações abaixo para se proteger do quadro.

Fique atenta aos sintomas associados da enxaqueca | Náusea, vômitos, bocejos, irritabilidade, sensibilidade à luz, sensibilidade ao som, sensibilidade ao movimento do corpo ou do ambiente, tontura, fadiga, mudanças de apetite, problemas de concentração e dificuldade para encontrar as palavras são alguns indícios de que você sofre com enxaqueca. Procure um especialista para fazer o acompanhamento e o tratamento correto.

Durante as crises de enxaqueca, siga algumas recomendações | Tome os medicamentos listados pelo especialista (evitando automedicação), entenda o que alivia a sua dor, trate os sintomas separadamente, descanse em um local escuro e silencioso, faça refeições leve e hidrate-se.

Atente-se aos fatores de risco para infarto | Homens acima dos 45 anos e mulheres com 55 anos ou mais têm maior propensão ao infarto. Tabagismo, hipertensão, colesterol elevado, diabetes, histórico familiar de infarto, sedentarismo, obesidade, estresse, alcoolismo e uso de drogas ilegais estimulantes também são hábitos que provocam o problema.

Não ignore os sintomas associados ao infarto | Vômitos, suor frio, fraqueza intensa, palpitações, falta de ar, sensação de ansiedade, fadiga, sonolência, desmaio e tontura devem ser levados a sério.