Esclareça oito dúvidas relacionadas à visão

Conheça os tratamentos e problemas que afetam a sua capacidade de enxergar

Miopia, hipermetropia, astigmatismo, presbiopia… Esses são alguns dos problemas que afetam a visão. Mas, afinal, você sabe quais são os danos e tratamentos para cada um desses incômodos? Se a resposta for não, acompanhe as próximas linhas para esclarecer suas dúvidas com as explicações de Bruno Machado Fontes, especialista em oftalmologia e presidente do XIV Congresso de Internacional De Catarata e Cirurgia Refrativa, de São Paulo (SP). Confira!

  1. Quais são os erros refrativos que afetam a visão?

A miopia – que é quando a pessoa enxerga mal para longe sem óculos, mas tem uma visão boa para perto –, a hipermetropia (que é quando o indivíduo tem dificuldade de ver bem tanto de longe quanto de perto), o astigmatismo e a presbiopia, que é a famosa vista cansada, que se refere à dificuldade de ver de perto e acomete mais as pessoas a partir dos 40 anos. Cirurgia refrativa é qualquer operação que vai mudar o ponto focal do olho com o objetivo de corrigir algum problema de grau.

  1. Existe algum tipo de problema refrativo que prevalece junto à população?

No mundo, a miopia é um dos problemas refrativos mais prevalentes. Hoje em dia, temos estudos mundiais que mostram que dedicar muitas horas para tarefas relacionadas à visão de perto, como o estudo, é um fator que contribui para o desenvolvimento da miopia, principalmente na infância, quando o olho está em formação. Estima-se que daqui a alguns anos, mais da metade da população mundial terá miopia.

  1. Qual é a diferença entre qualidade e quantidade da visão?

Imagine uma placa de trânsito. A partir de uma determinada distância, a pessoa consegue ver o que está escrito, mas um pouco borrado, com dificuldade, isso diz respeito à quantidade. Ver o que está escrito com definição, sem esse borrão, corresponde à qualidade da visão.

  1. Qual é a função da córnea?

É importante saber que o olho é formado por um sistema óptico composto por duas lentes: a córnea – que fica por fora, como se fosse o vidro de um relógio, responsável por aproximadamente 2/3 de todo poder óptico do olho – e o cristalino, lente da parte interna que é afetada pela catarata à medida que envelhecemos. Portanto, a maior parte das cirurgias para correção do grau é realizada na córnea.

  1. Como são as cirurgias para correção de grau?

Hoje em dia, temos a cirurgia a laser, que esculpe na córnea a lente que a pessoa precisa para correção do grau. Para a correção da miopia, o laser retira tecido do centro da córnea, deixando-a mais plana. Em casos de hipermetropia, o laser é aplicado um pouco mais na periferia, para deixar o centro da córnea mais curvo. Já no astigmatismo – quando a córnea tem uma irregularidade da curvatura –, o laser atua para deixá-la mais arredondada e regular. No que se refere à presbiopia, ainda não temos um procedimento cirúrgico definitivo, mas existem algumas técnicas corretivas que podem ser utilizadas, como o laser, as lentes intracorneanas ou as intraoculares.

  1. Qual é a sua avaliação sobre as lentes de contato e os óculos?

As pessoas têm uma tolerância maior às lentes de contato, porque novos materiais surgiram. Eles apresentam mais capacidade de deixar passar oxigênio para a córnea, proporcionando mais conforto e reduzindo o risco de complicações. As soluções de limpeza, higienização e manutenção das lentes de contato também evoluíram muito. No que diz respeito aos óculos, identificamos um avanço muito grande na tecnologia das lentes. Temos as lentes de alto índice, para pessoas que necessitam de altos graus de correção da miopia ou da hipermetropia. São mais leves, finas e esteticamente melhores. A evolução é vista também nas lentes progressivas ou multifocais. Desta forma, a correção visual é conseguida tanto com os óculos, as lentes e as cirurgias. A cirurgia refrativa é eletiva, e não obrigatória.

  1. O que é a monovisão?

É um tratamento para presbiopia, quando se utiliza uma lente de contato num olho para corrigir totalmente a visão de longe e, no outro olho, coloca-se uma lente com grau mais baixo para correção da miopia, que ajudará a enxergar de perto. Essa diferença de grau entre as lentes não pode ser muito grande, porque o cérebro não tolera uma diferença muito ampla de grau entre um olho e o outro. É preciso passar por um processo de adaptação. Cerca de 20% das pessoas não se adéquam à monovisão.

  1. Quais são os cuidados na hora de procurar uma cirurgia a laser?

Fazendo uma analogia, marcas de laser são como marcas de carro. Cada um com suas características. Desta forma, cada tipo de laser e fabricante tem espectros diferentes de graus que estão habilitados a tratar. Essas informações são periodicamente publicadas pelo Food and Drug Administration (FDA), órgão norte-americano. Em geral, os diferentes tipos de laser estão habilitados a tratar de quatro até seis graus de astigmatismo, dez graus de miopia e de quatro a seis de hipermetropia. Mas não são valores fixos, depende da anatomia de cada paciente, por isso os exames pré-operatórios são fundamentais.