Estou com tártaro, e agora?

Saiba quais são as medidas para tratar e evitar o problema
Young woman brushing cleaning teeth. Girl holds toothbrush with toothpaste on it. Oral hygiene.

Também conhecido como cálculo dental, o tártaro nada mais é do que uma placa bacteriana que endurece na superfície dos dentes. “É semelhante a uma pedrinha que gruda nos dentes e traz alguns inconvenientes à saúde bucal”, analisa Faisail Ismail, odontólogo e fundador da rede de clínicas Ortoplan – Especialidades Odontológicas, de Bauru (SP). Entre as complicações estão: inflamações e irritações na gengiva, além de cáries e gengivites. Por isso, ficar atenta às medidas de prevenção do quadro é fundamental.

E o primeiro passo é saber quais são os lugares em que o tártaro costuma ficar, para intensificar a escovação e higienização – que deve ser feita no mínimo três vezes por dia e com o auxílio do fio dental e um líquido fluoretado para bochecho.

De acordo com o especialista, existem duas partes da boca em que a incidência é maior: na face interna dos dentes inferiores, perto da língua, e ao lado da bochecha, nos molares superiores. “Isso acontece, porque nessas duas regiões existem esguichos de glândulas salivares. Juntando a placa bacteriana com o excesso de saliva nessas partes, o tártaro se forma com mais facilidade”, explica.

Mas caso você já tenha observado que alguns locais dos seus dentes estão opacos e com volumes irregulares, além de notar pequenos sangramentos, procure um dentista para avaliar o problema e fazer a remoção dos cálculos, que será realizada com um aparelho de ultrassom, instrumentos manuais e, possivelmente, um jato de bicarbonato. “É um processo trabalhoso, que não deve ser realizado em casa”, ressalta. Além disso, o dentista indica que as pessoas procurem um especialista duas vezes ao ano para fazer uma limpeza de placa bacteriana ou a raspagem se houver tártaro.