Fique longe das doenças sexualmente transmissíveis

10/09/2018 | Da Redação
SaúdeSaúde Destaque
Facebook twitter E-mail Imprimir

Brasil vem na contramão de outros países, que têm diminuído os níveis dessas enfermidades

De acordo com dados do Ministério da Saúde, desde 2006 os casos de Aids em jovens entre 15 e 24 anos aumentaram mais de 50%. Já as notificações de sífilis no atendimento público cresceram quase seis vezes entre 2007 e 2013. Segundo Raquel Muarrek, infectologista do Hospital São Luiz Morumbi, de São Paulo (SP), isso mostra que o Brasil está na contramão de outros países, que estão diminuído seus índices de ocorrências de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Ela destaca, ainda, que as causas mais prováveis para esse aumento são redução do uso de preservativos e o conhecimento e confiança nos tratamentos que a medicina oferece. “As pessoas estão deixando de se cuidar e isso aumenta a transmissão das doenças”, comenta.

A forma de contágio dessas doenças é por meio de relações sexuais sem preservativo – mesmo naquelas em que não há penetração – e compartilhamento de seringas e produtos de higiene pessoal (como alicates de unha). Desta forma, a melhor forma de prevenção é evitar essas práticas. Além disso, é possível tomar vacinas contra a hepatite B e o HPV, doenças que podem causar câncer de útero nas mulheres.

“É sempre indicado procurar fazer um check-up, porque algumas pessoas não sabem que são portadoras de doenças, então precisa ter um controle”, aconselha a infectologista. Ela afirma também que mesmo quem obteve resultado negativo deve ter cuidados, uma vez que existe uma janela imunológica de transmissão que aponta a ausência da enfermidade enquanto ela existe.

“Vale muito mais um hábito permanente de controle do que fazer um exame e deixar de usar preservativos”, orienta. “O paciente que tem uma DST tem três vezes mais chances de pegar outra DST, porque é uma porta de entrada. Ele pode ter tido outras relações sem preservação e não saber que está infectado. Por isso há uma chance maior”, destaca. Assim, a melhor forma de combater essas enfermidades é através da prevenção efetiva.