Hipertensão arterial em crianças e adolescentes

Doença pode trazer problemas durante a vida adulta
Female medicine doctor measuring blood pressure to patient. Close up view. Medical and healthcare concept

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a hipertensão arterial é um problema de saúde pública, uma vez que o número de casos não para de crescer. O principal agravante dessa enfermidade é que ela age silenciosamente, dificultando o diagnóstico.

“Os sinais só aparecem quando a pressão aumenta de forma rápida, caracterizando uma crise hipertensiva. Nesses casos, os sintomas mais comuns são dor de cabeça, tonturas, falta de ar, zumbido no ouvido, visão embaçada, sangramento nasal e cansaço”, alerta Celso Amodeo, cardiologista e especialista em hipertensão arterial do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo (SP).

E apesar de ser mais comum em adultos, jovens e crianças também podem ser acometidos pode esse problema. Nos primeiros anos de vida ele pode surgir como resultado de uma doença de base (como enfermidades renais, endócrinas, cardíacas e apneia do solo), ou como doença primária – que nem sempre é possível determinar a causa.

“No momento, os estudos mostram que, assim como acontece com os adultos, histórico familiar, obesidade, sedentarismo, maior ingestão de sal e menor de potássio são fatores de risco que contribuem para o aparecimento da hipertensão arterial na infância. Já na adolescência, o cigarro, o consumo de bebidas alcoólicas e de outras drogas, assim como o uso de anabolizantes e de pílulas anticoncepcionais, pesam também como fatores de risco para o surgimento da doença”, esclarece.

Segundo o cardiologista, o risco de desenvolver hipertensão é oito vezes maior nas crianças obesas, por isso é importante estimular a prática de atividades físicas e o consumo de uma alimentação equilibrada. “Outra medida indispensável é reduzir drasticamente a ingestão de sal. Quem já se deu ao trabalho de ler a lista de ingredientes na embalagem de salgadinhos, refrigerantes, ketchup e outros temperos prontos, no macarrão instantâneo, na salsicha do cachorro quente e nas batatinhas chips que as crianças tanto adoram, não mais se surpreende com a quantidade absurda de sódio que contêm”, explica. Para efetuar o diagnóstico precoce é importante realizar visitas frequentes ao pediatra e medir a pressão durante as consultas.