Prótese é alternativa para o tratamento de doenças cardíacas

Um pequeno tubo metálico ajuda a desobstruir as artérias e liberar o fluxo sanguíneo
Stent angioplasty procedure with placing a balloon

Para que o coração funcione a todo vapor, ele precisa receber oxigênio por meio das artérias coronárias. No entanto, quando a alimentação saudável e a prática de exercícios deixam a desejar, pode ocorrer o acúmulo de gordura (ateroma) na parede interna desses vasos, o que provoca um coágulo de sangue e o entupimento das artérias.

“Essa obstrução pode resultar em infarto agudo do miocárdio – o famoso ataque cardíaco – que, em determinadas situações, pode ser fatal”, destaca Roberto Cury, coordenador do Núcleo de Cardiologia do Hospital Samaritano, de São Paulo (SP). Além disso, também pode contribuir para o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e a insuficiência cardíaca. De acordo com o especialista, caso o tratamento com remédios não ofereça resultados no quadro clínico, existe outra opção bastante indicada: o stent.

Trata-se de um tubo feito de liga de aço e cobalto, que é colocado no interior da artéria e se expande para restaurar o fluxo sanguíneo e permitir que o coração volte a receber oxigênio normalmente. Uma vez implantada, a prótese permanecerá na artéria por toda vida, a não ser em casos de stents bioabsorvíveis, que desaparecem no organismo no decorrer do tempo.

Mas,  vale ressaltar que a prevenção dos problemas cardíacos – responsáveis por 350 mil mortes por ano no Brasil, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) – é o melhor caminho. “O controle dos fatores de risco, como a obesidade, o tabagismo, o sedentarismo, a hipertensão e o colesterol alto, além de manter o diabetes, o estresse e a alimentação equilibrados – priorizando o consumo de frutas, vegetais e grãos integrais, e minimizando as gorduras saturadas, o colesterol e o sódio – são medidas importantes para garantir a saúde cardíaca”, afirma.