Saiba identificar se seu filho tem miopia

Problema, que é comum na infância, tem causa genética
little girl holding eyeglasses, health eyesight concept. Soft focus

Um estudo realizado pelo National Eyes Institute, nos Estados Unidos, traz um alerta importante: a prevalência de miopia aumentou de 25% para 42% entre os norteamericanos com idade entre 12 e 54 anos nas últimas três décadas. E além da predisposição genética, os médicos acreditam que o problema está relacionado a fadiga ocular, proveniente do uso excessivo de computadores.

“As crianças lidam com tudo muito próximo a elas. Ou seja, ficam confinadas em espaços restritos, em que o computador está perto, a televisão está próxima, bem como videogames, smartphones, brinquedos etc. Essa falta de contato com espaços abertos, como parques e praias – em que naturalmente olham mais para longe, para o horizonte – acaba descompensando um pouco a visão”, afirma Renato Neves, oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, de São Paulo (SP).

A miopia ocorre quando o olho é muito grande ou a córnea é muito curva, fazendo com que os raios de luz sejam convergidos para um ponto anterior à retina. Ou seja, é necessária uma lente esférica divergente para direcionar os raios de luz à retina e permitir que a pessoa enxergue bem as imagens.

“A miopia geralmente começa na infância. O míope costuma fechar um pouco os olhos para tentar enxergar melhor quando não está usando óculos ou lentes. Essa é, inclusive, uma dica para os adultos prestarem atenção. Se a criança cerra a vista para ver melhor alguma coisa, tem algo de errado que deve ser investigado. Para a maioria das pessoas, ela se estabiliza no início da vida adulta, mas há casos em que a miopia continua aumentando ao longo do tempo”, explica.

Outras queixas referentes à miopia incluem dor de cabeça, sensação de cansaço nos olhos, irritação e vermelhidão ocular.