Boca seca: principais causas e prevenção

Beber água e mascar chiclete sem açúcar pode ajudar

Todos podemos sentir a boca seca eventualmente, principalmente em ocasiões de estresse. Porém, se isto for recorrente, a causa deve ser investigada para evitar problemas de saúde mais graves. De acordo com a dentista do Seconci-SP (Serviço Social da Construção), Cynthia Regina Figueiredo, a boca seca, ou xerostomia, pode ser definida pela quantidade insuficiente de saliva para manter a cavidade bucal úmida ou hidratada.

“Isso prejudica a mastigação, a deglutição e a digestão dos alimentos, além de diminuir a proteção dos dentes e gengivas contra cáries e mau hálito. Seus principais indícios são secura da boca e garganta, lábios rachados, sensação de queimação, cáries, halitose e dificuldade para mastigar, deglutir e sentir o sabor dos alimentos”, explica.

A diminuição da saliva está relacionada a diversas causas. Algumas delas podem ser menopausa, diabetes, consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo e uso de certos medicamentos, como diuréticos, anti-histamínicos, antieméticos, anti-hipertensivos, sedativos entre outros. A xerostomia ainda pode ser sintoma de doenças autoimunes e tratamentos, como a radioterapia e quimioterapia.

O que fazer?

A única alternativa para curar a boca seca é tratando suas causas. “Quando for o uso de medicamentos, o médico poderá ajustar a dose ou realizar a substituição adequada de acordo com o tratamento, se possível. É recomendável o uso de gomas de mascar sem açúcar para estimular o fluxo salivar. Existe, também, a saliva artificial usada para manter a boca hidratada e umedecida”, explica a profissional.

Evitar a ingestão de café, chá, refrigerantes, bebidas alcoólicas e tabaco, bem como beber água ao longo do dia, contribuem para minimizar a boca seca. “Vale ressaltar que, sem a saliva, cáries e outros problemas de saúde bucal podem se desenvolver com mais facilidade. Portanto, o cuidado com a higiene dos dentes e gengivas é primordial”, conclui.