Calor aumenta o risco de infarto

As altas temperaturas aumentam a pressão e a frequência cardíaca

Dias muito quentes, com temperaturas acima dos 30 graus, podem favorecer a dilatação dos vasos sanguíneos no corpo, o que, por sua vez, pode provocar alteração da pressão sanguínea. E não é só isso. As altas temperaturas também aumentam a espessura do sangue, fazendo subir, além da pressão, também a frequência cardíaca, elevando, assim, o risco de sofrer um infarto ou um derrame.

Trabalhos científicos têm demostrado que o calor excessivo pode aumentar o risco de morte precoce por doenças cardiovasculares, especialmente em pessoas com mais de 50 anos. Segundo o cardiologista Leopoldo Piegas, do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo (SP), pessoas obesas, diabéticas e portadoras de algum problema cardiovascular também fazem parte do grupo de maior risco.

Hidratação sempre

“A orientação é manter-se sempre hidratado, evitar a exposição direta ao sol e fazer refeições leves, que exijam menos esforço do organismo durante a digestão”, esclarece o especialista.

Quem faz parte do grupo de risco não pode fazer exercícios físicos sem avaliação médica prévia. “É recomendada cautela também com as comidas típicas do período de férias na praia, principalmente aquelas com alto teor de colesterol – importante fator de risco para aterosclerose -, além de evitar o excesso de bebidas alcoólicas”, recomenda. Por fim, vale sempre ficar atento aos sinais que podem indicar um infarto ou AVC:

* Dor no peito que pode irradiar para o braço, costas ou queixo.
* Sensação estranha na garganta.
* Tontura ou dor de cabeça inesperada e inexplicada.
* Batimento cardíaco acelerado.