Cinco informações sobre cânceres ginecológicos

Os tumores podem afetar o colo de útero, ovário, vagina, vulva e endométrio

De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc), os cânceres ginecológicos são responsáveis por 19% dos diagnósticos da doença no mundo a cada ano. Apesar da alta incidência, poucos conhecem – e previnem – esses tipos de tumores ligados ao colo de útero, ovário, vagina, vulva e endométrio. “O diagnóstico precoce pode salvar vidas, mas muitas mulheres ainda veem esse assunto como um tabu e, por isso, acabam não levando suas queixas para os consultórios”, explica Michelle Samora, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO), em São Paulo (SP). Confira abaixo algumas informações essenciais sobre os diferentes cânceres ginecológicos:

1) Fique atenta aos sinais | Os sintomas do câncer de ovário são discretos e demoram a se manifestar. Por isso, na maioria dos casos, é diagnosticado tardiamente, quando a doença já se espalhou pelo aparelho reprodutor. Quando aparente, pode ocorrer aumento do volume abdominal e na vontade de urinar, alterações no ciclo menstrual, dor durante a relação sexual, entre outros. “Muitos sintomas são parecidos com os desconfortos do dia a dia da mulher e, na maioria dos casos, são deixados de lado. Caso perceba qualquer alteração, é preciso procurar um especialista” afirma Michelle.

2) Mioma e o anticoncepcional | Ao contrário do que muitas mulheres imaginam, o mioma não é maligno e o uso de contraceptivos é benéfico à saúde do útero. “O mioma é um tumor benigno que pode surgir no útero e não aumenta o risco de câncer. Além disso, o uso de anticoncepcional diminui o risco deste tipo de câncer. Aliás, o que diminui o risco de câncer de endométrio são dieta e exercícios físicos, uso de anticoncepcional e amamentação”, destaca a médica Juliana Omineli, da Oncoclínica Centro de Tratamento Oncológico, no Rio de Janeiro.

3) Hereditariedade | Apenas 10% dos tumores de ovário são decorrentes da predisposição genética hereditária. “Em situações especiais, quando avó e mãe apresentaram tumores de ovário é possível realizar exames específicos de análise genética”, diz Michelle. Caso seja comprovada a suspeita, é possível indicar a cirurgia preventiva de retirada dos ovários. Mas esta é uma decisão que deve ser tomada de forma conjunta por paciente e médico.

4) Vacina do HPV e preservativo como forma de proteção | O HPV é o principal fator relacionado ao câncer do colo uterino, de vagina e de vulva – 90% das mulheres acometidas com câncer de colo do útero têm o vírus HPV. Portanto, proteção nunca é demais.

5) Tipos de câncer de útero | Muitas mulheres desconhecem que existem dois tipos de câncer que podem surgir no útero: o de endométrio (camada interna do útero) e o de colo de útero (porção mais inferior do útero). “Apesar de surgirem no mesmo órgão, são tumores totalmente diferentes. O de colo de útero está muito relacionado à infecção por HPV. Já o de endométrio tem relação com hormônio feminino” explica Juliana. O diagnóstico preciso é feito por biópsia.