Como evitar as temidas pedras nos rins?

Beber muita água e limitar o consumo de proteínas são as principais medidas

As pedras nos rins são formações endurecidas de minerais e outras substâncias, como oxalato e fosfato de cálcio e ácido úrico. Quando saem deste órgão e migram para o canal da urina, obstruindo-o, causam uma dor forte, a chamada cólica renal. Ela começa subitamente, é intermitente e pode ser sentida na região lombar, podendo irradiar para a lateral do abdome e região genital. Muitas pessoas, no entanto, podem ter pedra nos rins sem nenhum tipo de sintoma, já que a cólica acontece apenas quando o cálculo migra para o ureter. Ainda assim, as pedras podem ser responsáveis por infecções urinárias de repetição e perda progressiva de função renal.

Quais são as causas?

De acordo com Luiz Renato Montez Guidoni, urologista da Clínica Guidoni, em São Paulo (SP), pelo menos 60% das pessoas que têm cólica renal apresentam antecedente familiar de pedras nos rins. Além disso, pacientes com alteração de ácido úrico, ganho de peso e que consomem pouca água, muito sal e proteínas têm propensão à formação de cálculos. Em pacientes com dores, o diagnóstico é feito por tomografia. Já nos pacientes sem dor, a realização de ultrassonografia de rins e vias urinárias indica a existência do problema.

Como evitar?

Guidoni indica a ingestão de líquidos e o consumo moderado de sal e de proteína. “O uso indiscriminado de suplementos deste nutriente, assim como uma dieta que o privilegia e shakes para emagrecimento podem favorecer a formação das pedras. Por isso, o ideal é evitar ou, pelo menos, moderar o consumo dessas substâncias, e aumentar o de água. Um bom modo de entender se estamos tomando a quantidade suficiente do líquido é observar cor e odor da urina: quando ambos estão mais fortes, é sinal de que está faltando água”, finaliza o médico.