Conheça os fatores de risco do câncer de cabeça e pescoço

Essa doença é mais comum em homens
Young woman holding her painful neck

Você sabia que câncer de cabeça pescoço é o segundo tipo de câncer mais comum entre homens com idade entre 40 e 69 anos, no Brasil? De acordo com dados Instituto Nacional do Câncer (INCA), ele deve apresentar 17,5 mil novos casos por ano, perdendo apenas para o de próstata – com 61,2 mil casos. As principais causas para o aparecimento dos carcinomas é a combinação do cigarro com álcool e, nos últimos anos, ao papiloma vírus humano (HPV). “O cigarro e ingestão de bebidas alcoólicas são fatores de risco que multiplicam em até 20 vezes as chances de desenvolvimento da doença nessa região. Além disso, a infecção por papilomavirus (HPV) tem aumentado nas últimas décadas principalmente na garganta (orofaringe) e está associada ao contato sexual”, alerta Jossi Ledo Kandaa, chefe do serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, de São Paulo (SP).

No entanto, a maior incidência em homens não exclui a manifestação em mulheres, sendo que nelas ele acomete principalmente a glândula tireoide.  “Se um nódulo aparece no pescoço, não some em até 2-3 semanas, endurece e cresce rápido, há chances de ser um câncer na região. A rapidez no diagnóstico garantirá maior chance de cura desse paciente”, comenta a médica. Entre os sintomas mais comuns dos tumores de cabeça e pescoço estão: aftas na língua, feridas e manchas vermelhas ou brancas na boca, dor na garganta e rouquidão por mais de 21 dias. O tratamento pode abranger cirurgia, radioterapia e quimioterapia. A decisão pelo método para tratamento dependerá do estado de saúde do paciente, estágio e localização exata da doença.